536kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Fraude: centenas de emigrantes vieram a Portugal votar?

Este artigo tem mais de 5 anos

Centenas de emigrantes foram filmados no aeroporto Sá Carneiro quando iam para Montalegre e Chaves para votar PS. A CNE irá promover comunicação ao Ministério Público para investigação.

Os emigrantes foram encaminhados para os autocarros no aeroporto Sá Carneiro por Ricardo Moura, presidente da união de freguesias de Meixedo e Padronelos, reeleito pelo PS
i

Os emigrantes foram encaminhados para os autocarros no aeroporto Sá Carneiro por Ricardo Moura, presidente da união de freguesias de Meixedo e Padronelos, reeleito pelo PS

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Os emigrantes foram encaminhados para os autocarros no aeroporto Sá Carneiro por Ricardo Moura, presidente da união de freguesias de Meixedo e Padronelos, reeleito pelo PS

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Centenas de emigrantes foram filmados no último sábado pela equipa de investigação do programa da RTP Sexta às 9, no aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, a entrarem para autocarros com destino aos municípios de Montalegre e Chaves. Inquiridos sobre o motivo da viagem, afirmaram estar de visita a Portugal para votar nas eleições autárquicas. A entrada nas viaturas estava a ser coordenada por um presidente da junta que foi reeleito pelo PS.

Na próxima semana, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) discutirá a possibilidade de enviar uma queixa ao Ministério Público, disse ao Observador João Tiago Machado, porta-voz da instituição. A CNE não recebeu nenhuma denúncia formal, tendo só tido conhecimento do caso esta semana, após um pedido de informações da equipa de investigação da RTP.

Apesar de a denúncia que chegou ao Sexta às 9 referir que estes emigrantes estavam a ser pagos para votar, não se conseguiu encontrar nenhum facto que o comprovasse. No entanto, analisando os resultados eleitorais no município de Montalegre, que tem cerca de 15 mil eleitores inscritos, percebe-se que há padrões na comparação entre eleições autárquicas e legislativas. O PS tem mais votos nas autárquicas, enquanto o PSD ganha nas legislativas nos último anos. Há centenas de eleitores a mais a votar nas autárquicas, número que coincidirá com os emigrantes filmados no aeroporto Sá Carneiro.

Ricardo Moura, presidente da união de freguesias de Meixedo e Padronelos (uma das freguesias de Montalegre), que coordenou as viaturas no aeroporto Sá Carneiro, falou à à RTP depois de ser confrontado com o caso: “Recebi-os [os emigrantes] com emoção. Não esperava que à última hora eles viessem”. O agora reeleito presidente da Junta — com 60,5% dos votos (167) — ganhou com uma diferença de 71 votos contra uma coligação que juntou o PSD e o CDS/PP.

Ao Sexta às 9, Ricardo Moura afirmou que nada teve a ver com a organização das viagens de autocarros. Sobre as imagens captadas pelo programa, em que o autarca vai sentado no lugar da frente de uma das viaturas, disse que não é por ser o organizador, mas por ficar enjoado desde criança em viagens de autocarro.

Dados da Secretaria de Estado das Comunidades indicam que dos 5 milhões de cidadãos emigrados, apenas 316.114 mil estão recenseados fora do país. Os emigrantes portadores de Cartão de Cidadão ascendem a 1.017.000. Sendo que dos 9.411.530 eleitores inscritos nas últimas autárquicas, apenas 5.173.023 votaram. Assim, os emigrantes portugueses correspondem a cerca de 11% do eleitorado.

João Paulo Batalha, da Associação Transparência e Integridade, entrevistado pelo Sexta às 9, avisou que a mobilização de emigrantes em pequenas autarquias fazem a diferença para a eleição de um partido. “O que temos [com o atual sistema de recenseamento] é uma população eleitoral flutuante que pode ser regimentada para um partido ou outro”, diz Batalha.

Uma das soluções apresentadas passa pela aprovação de quatro diplomas sobre o recenseamento automático que estão desde maio no parlamento à espera de aprovação. Segundo números avançados pelo programa de investigação, a ser aprovado o recenseamento automático, mais de 1.300.000 de emigrantes deixariam de poder votar em eleições autárquicas, alterando estas situações.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.