Rádio Observador

Mediterrâneo

Mar Menor está a separar-se do mar Mediterrâneo

1.187

O Mar Menor - que faz a ligação ao mar Mediterrâneo - está a desaparecer. A comunidade científica ressalva os perigos de um eventual desaparecimento deste canal. Veja as diferenças notórias.

WIKIMEDIA COMMONS

O Mar Menor está a separar-se do mar Mediterrâneo de forma cada vez mais acelerada. Uma equipa de investigadores, que estudou aquela zona, mostrou ao El País as suas preocupações com um possível desaparecimento daquela ligação.

De acordo com imagens de satélite recolhidas pelo grupo de investigadores do Instituto Murciano de Investigação e Desenvolvimento Agrário e Alimentar, o principal canal que liga ambos os mares diminuiu cerca de 80%. As imagens de um drone marinho concluíram também que o canal apenas já tem 25 centímetros de profundidade.

A equipa ressalva que um eventual desaparecimento deste canal pode pôr em causa a temperatura, salinidade, clorofila e turvação do futuro daquela lagoa. Um dos investigadores, Manuel Erena, refere ao jornal que “desde 2009, a principal passagem do Mar Menor (“Las Encañizadas”) passou de um tamanho de 540 metros para 120 metros”, acentuando-se principalmente nos últimos dois anos. Já sobre a profundidade, o investigador adianta que se passou de 70 para apenas 25 centímetros.

Essas diferenças são, aliás, percetíveis neste vídeo, onde podemos ver um “antes” e um “depois” do Mar Menor – atente no caudal e no “desaparecimento” desta pequena lagoa ao longo do tempo.

O contacto entre estes mares faz-se através da “La Manga” – a faixa de terra que separa o Mar Menor do Mediterrâneo -, por quatro lençóis de água. É esta barreira, com cerca de 22 quilómetros de comprimento e 100 de largura média, que permite o contacto entre estes mares, tal como o intercâmbio de nutrientes e biodiversidade marinha.

Calle Anticitera, 8, 30380 Cartagena, Murcia, Espanha

Para além disso, tem-se assistido ao crescimento de algas invasoras, resultado do aumento da utilização de fertilizantes – que acabam no Mar Menor. Tal crescimento de matéria orgânica (mas também inorgânica) acaba por se alastrar pelas águas e impedir a entrada e passagem de luz até áreas de maior profundidade. “Tudo o que está debaixo de 1,5 metros morre”, lembra o investigador.

A equipa está desde maio, em conjunto com outras universidades espanholas e alemãs, a estudar aquela lagoa. O grupo concluiu que “o estado ecológico, a sua complexidade e a sua capacidade de se defender a agressões externas, depende completamente da sua ligação restrita ao mar adjacente”, explicou Ángel Pérez-Ruzafa, um catedrático de ecologia da Universidade de Murcia.

Se a ligação se reduzir demasiado, as lagoas perdem a sua produtividade e estrutura biológica”, sublinhou.

Ainda assim, o mesmo especialista tem esperança de que o Mar Menor consiga escapar a um rótulo de “mar morto”, dadas as suas “singularidades hidrodinâmicas e ecológicas” que lhe permitem ter uma “grande capacidade de autorregulação e recuperação”. A sua existência irá depender “das comunicações com o mar Mediterrâneo”, e passa por “não serem excessivas, mas que também não se percam completamente”.

Os autores da investigação disponibilizaram também um site onde pode fazer uma “visita virtual” 360º à zona. Pode explorar tudo aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Imigração

Um desafio exaltante

Guilherme Valente

O grande desafio do nosso tempo é organizar uma política da emigração justa, viável, bem-recebida, aceitável pelos europeus. A Europa não conseguirá ser de facto o refúgio e o emprego do mundo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)