460kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Rússia e Estados Unidos têm o monopólio do armamento nuclear no mundo

Este artigo tem mais de 4 anos

São nove os países que têm (ou podem ter) armas nucleares, mas a Rússia e os Estados Unidos têm mais de 90% das armas. E os norte-americanos ainda querem mais.

i

VLADMIR MASHATIN/EPA

VLADMIR MASHATIN/EPA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Todos os Estados, organizações internacionais e organizações da sociedade civil devem reconhecer que “é um imperativo humanitário universal banir as armas nucleares, mesmo para os Estados que não as têm”, afirma, na página do Facebook, a Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares (ICAN), vencedora do prémio Nobel da Paz 2017. “Os Estados com armamento nuclear têm a obrigação de eliminar completamente as suas armas nucleares.”

O Tratado de Não-Proliferação das Armas Nucleares (NPT), da Organização das Nações Unidas, assinado atualmente por 191 Estados também tem como objetivo o controlo da propagação das armas nucleares. O tratado pretende “prevenir a disseminação de armas nucleares e tecnologia de armas, promover a cooperação de usos pacíficos da energia nuclear e promover o objetivo de desarmamento generalizado e completo”.

Dos 191 Estados que assinaram o tratado, que entrou em vigor em 1970, cinco têm armas nucleares: os Estados Unidos e a Rússia (que têm 93% do armamento total), e ainda China, França e Reino Unido. Existem, no entanto, países fora do acordo que têm (ou que se presume que tenham) armamento nuclear: Coreia do Norte, Índia, Paquistão e Israel. A Coreia do Norte chegou a assinar o tratado em 1985, mas revogou-o em 2003, tornando-se o primeiro país a sair deste acordo.

A quantidade de armas nucleares existentes no planeta teve um pico durante a Guerra Fria, mas nos últimos 25 anos foi reduzida a menos de um terço. A África do Sul, Ucrânia, Bielorússia e Casaquistão chegaram a ter armas nucleares, mas eliminaram-nas ou transferiram-nas para Estados que as possuíssem.

2 fotos

O Fundo Ploughshares tem financiado, ao longo dos últimos 35 anos, pessoas e organizações que lutam ativamente para reduzir e, eventualmente, eliminar os perigos causados pelas armas nucleares. Uma das entidades financiadas foi o ICAN. O fundo considera que a organização tem desempenhado um papel fundamental na luta contra o armamento nuclear, papel esse também reconhecido com a atribuição do prémio Nobel da Paz.

Os Estados Unidos têm reduzido o armamento nuclear desde 1962, mas o Fundo Ploughshares preocupa-se que a administração Trump altere esta tendência – Arms Control Association (www.armscontrol.org)

“As armas nucleares não fazem nada para nos proteger das ameaças do século XXI. Ainda assim, o governo norte-americano planeia gastar um bilião de dólares [cerca de 854 mil milhões de euros] nos próximos 30 anos para reabastecer o arsenal”, refere o site do Fundo Ploughshares. “Estes planos podem fazer com que a Rússia, a China e outros países fabriquem ainda mais armas nucleares.”

O Fundo Ploughshares apela à acção, contrapondo a manutenção e incentivo das armas nucleares à desincentivo da criação e utilização destas armas – Ploughshares.org

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.