“Sim, ele casou-se com Myriam em Marraquexe, onde vivem”, confirmou fonte próxima do casal ao jornal francês Le Parisien. É a quarta vez que o antigo diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, de 68 anos, se casa. Desta vez, em segredo e com Myriam L’Aouffir, de 49 anos. Aconteceu este fim de semana, em Marraquexe, Marrocos, cidade onde o casal vive.

A relação de Dominique Strauss-Kahn com Myriam L’Aouffir terá começado, em 2012, quando surgiram os primeiros rumores, pouco tempo depois de se ter separado da jornalista Anne Sinclair, a sua terceira mulher. Strauss-Kahn terá conhecido Myriam L’Aouffir numa altura em que estava a ser acusado de crimes sexuais — o que já o tinha levado a abandonar o cargo de diretor do FMI, em 2011. A primeira aparição do casal em público foi em 2013, durante o Festival de Cinema de Cannes.

Afinal, quão populares são as orgias?

Strauss-Kahn foi acusado de abuso sexual e envolvimento em orgias e festas com prostitutas, ocorridas em França. O ex-diretor do FMI chegou a admitir em tribunal que participou em festas sexuais semelhantes a orgias mas que “foram só 12” e justificou: precisava de “sessões recreativas numa vida agitada” enquanto estava ocupado a “salvar o mundo” de uma das piores crises financeiras de sempre. Mas Strauss-Kahn acabou por ser absolvido em junho de 2015.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Myriam L’Aouffir é natural de Rabat, em Marrocos. É licenciada em Literatura Moderna, Audiovisual, Ciências da Informação e Comunicação, tendo vindo a ser a responsável de comunicação da France Televisions. É agora também a quarta mulher de Strauss-Kahn — que casou pela primeira vez em 1967 com Hélène Dumas, de quem teve três filhos, em 1986 com Brigitte Guillemette, de quem teve uma filha e, em 1991 com a jornalista Anne Sinclair. No final de 2015, uma mulher avançou com um processo em tribunal para obrigar Strauss-Kahn pagar a pensão de alimentos ao filho, que alegava ser do ex-diretor do FMI.

Dominique Strauss-Kahn tem um filho de cinco anos. E ninguém sabia