Rádio Observador

Ciência

Pistas sobre origem da vida na Terra podem estar em Marte

240

A NASA descobriu vestígios da existência de um mar em Marte há 3,7 milhões de anos que podem conter a resposta para um dos grandes mistérios do nosso planeta: o da origem da vida.

ESA & MPS for OSIRIS Team MPS/UPD/LAM/IAA/RSSD/INTA/UPM/DASP/IDA, CC BY-SA 3.0 IGO

Ninguém sabe ao certo quais são as origens da vida no planeta Terra nem o ambiente em que esta se formou. Contudo, a NASA descobriu vestígios da existência de um lago gigante no sul de Marte que podem conter pistas sobre a origem da vida na Terra, que se sabe ter aparecido há cerca de 4 mil milhões de anos.

A agência norte-americana encontrou depósitos de minerais debaixo da bacia da Eridania que levam a crer que terá tido um lago gigante há cerca de 3,7 mil milhões de anos. Estes depósitos terão resultado de atividade vulcânica que aquecia a água parada. De acordo com Paul Niles, geologista planetário da NASA e co-autor do estudo do local, este pode esclarecer o “tipo de ambiente onde a vida pode ter começado na Terra”.

Esta região do mar da Eridania mostra alguns dos depósitos em questão, parcialmente enterrados debaixo de outros depósitos vulcânicos mais recentes. Crédito: NASA/JPL-Caltech/MSSS

Numa notícia publicada no site da NASA, Niles diz que a “atividade vulcânica combinada com a água parada providenciou condições que provavelmente eram semelhantes a condições existentes na Terra por volta da mesma altura”. E foi nessa altura, diz o geologista, que a vida “estava a evoluir” no nosso planeta.

Apesar de isto não querer dizer que alguma vez se vá descobrir que Marte teve vida, o achado pode dar pistas essenciais no que toca a perceber em que ambiente surgiu a vida na Terra. Até porque as provas mais antigas de vida no nosso planeta foram encontradas em depósitos com características semelhantes.

Este diagrama é uma interpretação de como alguns dos depósitos do Eridania se formaram. Representados a verde, estes depósitos são resultado da alteração do material vulcânico graças à atividade hidrotermal. O diagrama também propõe a possibilidade de o mar ter estado coberto por uma camada de gelo. Crédito: NASA

Segundo Niles, o lago, que terá tido um tamanho 10 vezes maior do que todos os Grandes Lagos da América do Norte, era “profundo” e de “longa vida”, um “ambiente hidrotermal” como os da Terra e semelhante a ambientes onde seria possível encontrar vida noutros planetas. “Vida que não precisa de uma boa atmosfera ou de uma superfície temperada, mas apenas rochas, calor e água“, afirma o norte-americano.

O estudo, da co-autoria de Paul Niles e Joseph Michalski, aumenta assim o leque de diversidade de ambientes húmidos em Marte. Agora já seco e sem atividade vulcânica, o antigo mar da Eridania tinha uma área cúbica de 210 mil quilómetros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)