Dicas Auto

Quanto dinheiro gasta por ano ao usar os piscas?

1.933

Se lhe perguntassem quanto acha que custa usar os sinais de mudança de direcção do seu automóvel, saberia o que responder? Houve (mesmo) quem fizesse as contas e a conclusão pode surpreender.

Autor
  • Francisco António

Componentes muitas vezes desvalorizados, inclusivamente por condutores já com muitos anos e quilómetros na estrada, que facilmente se esquecem da sua existência, os sinais de mudança de direcção – vulgarmente conhecidos como “piscas” – têm, na realidade, um valor associado: no valor pago pelo automóvel; na sobrecarga que representam para o sistema eléctrico; e até mesmo na carteira, quando, pelo seu não accionamento, acabamos com muita chapa batida, com previsões de uma “conta gorda” na oficina…

Se nunca fez as contas quanto àquilo que lhe poderá custar, ou não, a utilização dos piscas, saiba que, nos Estados Unidos da América, estima-se que a não utilização dos sinais de mudança de direcção causa o dobro dos acidentes resultantes da distracção ao volante.

Ora, alguns experimentados condutores defendem a teoria de que evitam utilizar os piscas para não elevar o consumo do veículo – algo totalmente errado, já que a utilização dos sinais de mudança de direcção no custo anual do veículo é, na verdade, quase nula! Mas já lá vamos.

Além de ser um acto de cortesia e de respeito pelos demais condutores, utilizar os piscas começa logo por ser a melhor forma de poupar o dinheiro que forçosamente teremos de gastar no pagamento de uma multa de trânsito (é preciso não esquecer que é obrigatório sinalizar as mudanças de direcção) ou noutro qualquer tipo de percalço.

Já quanto à energia gasta nesse “desafio enorme”, as contas são “relativamente” fáceis de fazer: se pensarmos que um automóvel tem, no mínimo, seis intermitentes, cuja potência total média é de 140 W, e o seu funcionamento é de um mínimo de 60 vezes por minuto, até um máximo de 120 vezes/minuto; e se a isto juntarmos a eficiência térmica do motor (cerca de 25%) e do alternador (a rondar os 75%); o consumo médio dos piscas deverá rondar os 70 W/h.

Tomando em linha de conta que a eficiência do sistema que fornece a energia aos intermitentes é de, sensivelmente, 17,5%, e que as luzes passam cerca de 100 segundos acesas por dia, o custo médio de utilização deste componente no automóvel ronda, por ano, nos EUA… 0,29 dólares. Ou seja, pouco mais de 20 cêntimos/ano! Coloca-se a questão: será que justifica mesmo não os utilizarmos?

A “agravar” ainda mais as contas, o facto de alguns dos piscas hoje em dia utilizados serem em LED, uma tecnologia seis vezes mais eficiente que os piscas de halogéneo! O que faz com que, e ainda falando no mercado americano, o preço caia para os seis centavos de dólar; ou seja, 5 cêntimos/ano!

Mas se o leitor está já – e bem – a argumentar com o facto do preço dos combustíveis, na Europa, ser bem mais alto, respondemos-lhe que também não será por aqui que o rombo na carteira será particularmente grande. É que, segundo a mesma fórmula, utilizar os piscas de halogéneo custa, em média e para o condutor europeu, 50 cêntimos por ano; com o valor a cair para os 8 cêntimos, se estivermos a falar de tecnologia LED. A qual, por sinal, até tem um período de vida mais longo.

Valerá mesmo a pena não utilizar as luzes de mudança de direcção?

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)