Rádio Observador

Ciência

O satélite científico mais antigo do mundo continua em órbita

107

60 anos depois, o Vanguard-1, satélite criado em resposta ao Sputnik, da União Soviética, ainda orbita em torno do nosso planeta. E pode ser que continue a orbitar durante mais mil anos.

NASA

Decorria o ano de 1957. O mês era o de outubro e a época a de Guerra Fria. Na União Soviética lançava-se o Sputnik 1, o primeiro satélite artificial terrestre. Do outro lado do “campo”, os Estados Unidos da América estavam com medo. Medo de que a URSS, que se mostrara aparente mais capaz tecnologicamente do que os EUA, pudesse atingir a América do Norte com um míssil nuclear. Tinha enviado um satélite para o espaço, afinal. As forças militares norte-americanas foram colocadas sob pressão pelo então presidente Dwight D. Eisenhower para que lançassem um satélite o mais rapidamente possível. Em março de 1958, fruto do medo, “nasce” e é lançado para o espaço o Vanguard 1. E ainda lá anda, quase 60 anos depois.

O satélite cientifico mais antigo do mundo deixou de transmitir dados em 1965. Contudo, e ao contrário do Sputnik, que orbitou o planeta apenas durante 3 meses, o Vanguard ainda hoje se mantém em órbita e ajuda os cientistas a perceber como a atmosfera terrestre influencia os satélites e como as suas órbitas se vão alterando ao longo do tempo.

Em declarações à BBC, Tim Flohrer, analista de detritos espaciais do Centro Europeu de Operações Espaciais, afirma que os primeiros satélites, como o Sputnik, “já todos reentraram na atmosfera. Estima que o Vanguard 1, no entanto, “permaneça em órbita por várias centenas, se não milhares de anos”.

O projeto do Vanguard não foi criado imediatamente a seguir ao lançamento do Sputnik. Aliás, por essa altura já levava dois anos. Começou a ser concebido em 1955, pelo Laboratório de Pesquisa Naval dos Estados Unidos, e fazia parte de uma colaboração de 67 países para o Ano Internacional da Geofísica, em 1957-58, da qual fazia parte a União Soviética, que escondeu os planos do Sputnik.

O Vanguard tão pouco foi o primeiro satélite norte-americano. Essa distinção vai para o Explorer 1, um projeto que também fazia parte do Ano Internacional, abandonado pela administração de Eisenhower em prol do Vanguard mas posteriormente retomado para responder ao lançamento do Sputnik. O mais antigo dos satélites ainda em órbita foi, no entanto, o primeiro satélite da Marinha.

Apesar de ter perdido a chance de ser o primeiro satélite artificial de todos, o Vanguard foi efetivamente vanguardista. O satélite permitiu saber que o Planeta Terra alarga no Equador graças à força exercida pela rotação, trouxe a introdução de um sistema de propulsores que serviu de base ao Delta – o mais usado dos propulsores norte-americanos – e estava equipado com painéis solares, que permitiram que se mantivesse ativo durante consideravelmente mais tempo que o seu “rival”, o Sputnik 1.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)