Catalunha

Abílio H. está preso perto de Barcelona, soube da independência da Catalunha e quer ser libertado

Abílio H. está de novo preso após ter sido apanhado num assalto à mão armada. Ao saber da declaração da independência da Catalunha, agarrou numa caneta para escrever a um juiz: Quer ser libertado.

AFP/Getty Images

A forma como o ABC termina o quarto e último parágrafo desta notícia diz muito sobre a situação que se está a viver em Espanha, mais concretamente na Catalunha. Acaba assim o caso que já passamos a descrever: “Uma maneira de pedir libertação tão estranha como a atuação da Generalitat nas últimas semanas”. Ou seja, da mesma forma que foram sendo escritos vários artigos sobre as dúvidas do que aconteceria com o Barcelona quando fosse declarada a dependência unilateral da região, existem outras ramificações da decisão em que ainda ninguém tinha pensado. Como esta que foi agora levantada pelo catalão Abílio H..

Aos 42 anos, como conta o jornal espanhol, Abílio H. foi novamente apanhado num assalto e encontra-se detido no Brians 1, em Barcelona. Quando soube da declaração de Carles Puigdemont, começou a fazer contas de cabeça: ora se a Catalunha declara independência, deixa de reconhecer as leis espanholas. “Posso pedir a minha libertação”, terá pensado, naquela que viu como uma janela de oportunidade para abrir a porta de saída da prisão. Assim, agarrou numa caneta e escreveu um documento que fez chegar ao juiz da guarda de Sant Feliu de Llobregat.

Avançou com um habeas corpus, o habitual procedimento jurídico que prevê a comparência imediata perante um juiz e pede para que seja deliberado se a sua detenção foi ou não legal, argumentando que a Generalitat é responsável pelas prisões na Catalunha e, como tal, não poderá estar a ser julgado por leis que deixaram de ser reconhecidas.

“Estou preso em Brians 1 de acordo com as leis do código penal espanhol e essas leis não são reconhecidas pelo órgão competente que me mantém sob custódia”, defendeu, num caso descrito como… surreal.

O El País avança com mais alguns dados sobre Abílio H.: foi preso pela primeira vez aos 24 anos, na sequência de uma série de roubos com violência e intimidação, e acabou por sair em liberdade em fevereiro de 2007; depois, voltou a ser apanhado nesse mesmo ano pelos Mossos, após mais 16 assaltos à mão armada, incluindo uma repartição financeira em Tossa de Mar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

A lobotomia nasceu aqui /premium

Alberto Gonçalves

Quando não estão a pagar impostos ou a ver a CMTV, as vítimas vão tirar “selfies” com os carrascos e prometem-lhes devoção e votos. Os portugueses apreciam ser humilhados ou não percebem o que são?

Mundial 2018

Vinte minutos à escrete /premium

Bruno Vieira Amaral

Neymar sentiu um braço e caiu mais teatralmente do que um aluno no exame do Conservatório. Por todo o mundo ouve-se o som de farsa de um corpo a tombar nas tábuas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)