Rádio Observador

Cuidado: está quente

Naked. Os alimentos como vieram ao mundo no novo restaurante do Príncipe Real

323

A comida saudável quando nasce é para todos: vegetarianos, veganos ou simplesmente gulosos. O Naked comprova a teoria, com refeições para todos os gostos (e estômagos), no Príncipe Real, em Lisboa.

O ceviche de cogumelos é só uma das especialidades do Naked, o novo restaurante do Príncipe Real que serve os alimentos ao natural.

Divulgação

O que interessa saber

Nome: Naked
Abriu em: Setembro de 2017
Onde fica: Rua da Escola Politécnica, 85-89 (Príncipe Real), Lisboa
O que é: Um novo restaurante de comida saudável que não quer cair em fundamentalismos. Tem opções vegetarianas, veganas, mas também pratos com mais substância. Todos os produtos são biológicos e não há alimentos processados.
Quem manda: Miguel Júdice e Carla Contige
Quanto custa: Entre 15€ e 20€ por pessoa.
Contacto: 92 540 6880
Horário: Para já, de segunda a domingo, das 10h às 18h, mas a partir da próxima semana fica aberto até às 22h, todos os dias.

A História

Miguel Júdice está longe de ser um novato a gerir negócios. Depois dos hotéis e dos gelados de pauzinhos, o empresário pôs a cozinha a nu com o novo Naked. Diz que a alternativa já fazia falta ao Príncipe Real e a Lisboa e que vem pôr fim aos dilemas dos vegetarianos que têm amigos carnívoros que têm amigos veganos e que, volta e meia, querem ir todos almoçar ou jantar fora e não encontram uma ementa que agrade a todos. Porquê? Já vai perceber mais abaixo.

Mas Miguel Júdice não veio para o Príncipe Real sozinho. Carla Contige é a sócia cheia de experiência na área. Teve em tempos o quiosque mais verde do Martim Moniz, o Erva, e é uma das donas do Nós é Mais Bolos, a tentadora pastelaria do Mercado da Ribeira. Tudo misturado, já dá para ver que, pelo menos a ementa, é qualquer coisa de original. Há muito que os dois tinham batido com os olhos neste espaço. O Naked lá ganhou forma e abriu portas há duas semanas, com comida saudável e pratos que não têm hora. Brunch ao fim da tarde? Ceviche às 11 da manhã? Só tem de haver apetite.

A parede preenchida pel’O Jardim das Delícias Terrenas, de Bosch, já é o ex libris do espaço © Divulgação

O Espaço

A fachada com grades de ferro é o primeiro cartão-de-visita do Naked. O segundo é a reprodução d’O Jardim das Delícias Terrenas de Bosch, que ocupa uma parede inteira. Segundo Miguel Júdice, é um aperitivo antes de fazer o pedido propriamente dito ao balcão. Ângela Rodrigues assina o projeto e a prioridade foi deixar o espaço bem confortável, de manhã à noite. Computadores e blocos de notas são bem-vindos em cima da mesa, mas este restaurante e café também foi pensado para quem prefere agarrar na refeição e ir comê-la para outro lado.

O Naked não vai ficar só pelo Príncipe Real. O segundo espaço abre no início do próximo ano em Cascais e a expansão não deve ficar por aí.

A Comida

“Não comam nada que a vossa bisavó não reconhecesse como comida” — a frase escrita na ementa diz tudo. Porque a comida saudável (ou a ideia que a maioria das pessoas tem da comida saudável) nem sempre é consensual, o Naked quer provar que deixar a carne de lado não é sinónimo de refeições a meio gás. De facto, a carne é o único ingrediente a ficar fora do menu. O peixe espreita em dois dos pratos principais, no bacalhau fresco, acompanhado de pak choi (couve branca chinesa), batata-doce e puré de grão, e no ceviche de peixe branco, servido com banana, coco e puré de batata-doce. Os donos resumem a cozinha com um único estrangeirismo: flexitarian ou, se preferir, semi-vegetarianismo.

Mezze, uma das sugestões do Naked para partilhar. Traz húmus, pasta de cogumelos, shakshouka, pasta de legumes assados, tostas e vegetais © Divulgação

“Costumo dizer que temos comida saudável para quem normalmente não come comida saudável”, afirma Miguel Júdice. Entre as especialidades que estão a fazer mais sucesso estão o mezze (12€), o shakshouka, uma especialidade do Médio Oriente com ovos, molho de tomate, pimentos e cebola (8€), e o hambúrguer de quinoa e beterraba com dukkah, um tempero egípcio que resulta da mistura de várias ervas aromáticas (12€). A moda das bowls também não passou ao lado no Naked. A que aqui se serve tem base de açaí ou pitaya e fica completa com fruta e granola (6€).

Uma ementa elaborada a oito mãos. Além dos dois sócios, Susana Rainha, a chef da casa, e Joana Limão, do blogue Lemonaid, participaram na construção da carta. Os smoothies (entre 3,50€ e 4€) e os sumos prensados a frio (3,50€) são a opção mais recorrente para acompanhar as refeições, se bem que a kombucha caseira (3,50€) também tem saída. Todos os açúcares são naturais, o que também se aplica à lista de sobremesas. Se não quiser alinhar numa das sugestões à base de fruta, as guloseimas da Nós é Mais Bolos estão logo por baixo. Numa primeira visita, recomendamos-lhe uma fatia de Tarte Naked (4€), feita de batata-doce, chocolate, compota de framboesa e agave. Bem mais refrescantes são os gelados da Paletaria. A marca é outro dos projetos de Miguel Júdice e tem lugar cativo no novo restaurante.

Tarte Naked, a sobremesa da casa © Divulgação

Numa altura em que ainda é complicado encontrar pratos sem glúten ou lactose e, sobretudo, encontrá-los num sítio com pinta, a carta do Naked identifica-os com pequenos ícones que percorrem todo o menu. Os mesmos ícones distinguem ainda as receitas vegetarianas e veganas.

Todas estas sugestões podem ser combinadas em menus. O de brunch custa 15€, pode ser pedido durante todo o dia e inclui um sumo, uma omelete de claras com shakshouka, iogurte com granola e fruta, tostas com compota e manteiga, chá ou café. O menu Naked (também sem hora) tem sopa, gelado ou bolo, um prato, uma salada ou uma bowl, limonada ou sumo de laranja e café. Fica por 15€.

Rua da Escola Politécnica, 85

“Cuidado, está quente” é uma rubrica do Observador onde se dão a conhecer novos restaurantes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)