O treinador do FC Porto disse esta quinta-feira que tem o “objetivo pessoal de ganhar a Taça de Portugal” em futebol e, por isso, a equipa “tem que jogar com ambição” para superar o Lusitano de Évora.

Sérgio Conceição sublinhou ainda que o FC Porto vai encarar o jogo de sexta-feira, da terceira eliminatória, com a maior seriedade e que para ganhar os jogadores terão que trabalhar ao máximo.

Quero ganhar esta competição. Estive na final como treinador e tive a oportunidade de ganhar como jogador. É uma competição fantástica, com um ambiente fabuloso. Tenho esse objetivo pessoal e acho que todos também deveriam ter”, começou por referir o treinador.

Sérgio Conceição alertou, no entanto, para os perigos que os jogos de Taça costumam trazer, na forma como são encarados.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Os jogos da Taça são perigosos, porque há uma motivação muito grande do adversário. Vamos ter que ser muito sérios para conseguirmos vencer. Podem pensar que quem joga com o Lusitano ou com equipas da distrital tem a vida facilitada, mas não”, justificou.

Nas últimas duas semanas, o FC Porto esteve a trabalhar desfalcado devido às ausências de vários jogadores, que estiveram ao serviço das respetivas seleções, um cenário, segundo o técnico, de dias mais complicados na rotina dos ‘dragões’.

“A ausência de jogadores para as seleções condiciona muito aquilo que são os nossos trabalhos, mas trabalha-se noutras vertentes, faz-se um trabalho diferente do que quando está o grupo todo. Vou escolher o melhor ’11’ para este jogo, olhando ao desgaste destas situações”, referiu.

Sérgio Conceição fez ainda referência ao facto de o FC Porto ter renovado com Aboubakar e não escondeu a satisfação.

“Fico contente. Era uma das prioridades do clube. Renovar com um jogador que tem potencial e que pode ser muito útil no presente e no futuro”, disse.

O técnico aproveitou ainda o momento para considerar “ridículo” o facto de Juan Carlos Osorio, treinador do México, se ter mostrado preocupado com a condição física de alguns jogadores portistas que são menos utilizados, como Diego Reyes e Miguel Layún.

“Temos um plano individual para cada jogador. O Reyes tem como todos os outros um plano para ele, com apoio de um fisiologista e um nutricionista. O treinador do México não pode esquecer que, no jogo em que os quatro jogadores do FC Porto atuaram, o Corona foi o melhor em campo, o Herrera fez um golo e o Layún uma assistência. Ficava-lhe melhor dizer obrigado ao FC Porto pelos jogadores. A imprensa do México pode pegar nas minhas palavras à vontade, não tem problema algum”, frisou.

O FC Porto joga esta sexta-feira com o Lusitano de Évora, no Estádio do Restelo (20:15), casa ’emprestada’ da equipa alentejana, numa partida relativa à terceira eliminatória da Taça de Portugal e que terá arbitragem de Hélder Malheiro, da Associação de Lisboa.