O mais antigo sobrevivente de um transplante de medula em Portugal submeteu-se a esta intervenção há 30 anos, aos três anos de idade, e recorda-se bem das “doses de mimo” que recebeu no IPO de Lisboa, pioneiro nesta cirurgia.

A história de Joel é a primeira de 30 que constam de um livro que será lançado no próximo dia 18, com o qual a Unidade de Transplante de Medula (UTM) do Instituto Português de Oncologia (IPO) Lisboa está a assinalar o pioneirismo da instituição nesta área.

Tal como Joel, outros 29 doentes dão o seu testemunho nesta publicação, que conta ainda com um depoimento do médico que dirige o departamento de hematologia e o serviço de transplantação de progenitores hematopoiéticos neste IPO, Manuel Abecassis, responsável pelo primeiro transplante.

O médico recorda que, “ao longo destes 30 anos, realizaram-se no IPO de Lisboa 1.858 transplantes (1.061 autólogos e 797 alogénicos), o que corresponde a um total de 1.665 doentes tratados”, sendo que “alguns foram submetidos a mais de um transplante”.

A celebração deste 30º aniversário ocorre numa altura em que a UTM se prepara para dar uma resposta mais adequada à procura, tendo em conta que atualmente nem todos os doentes que precisam encontram a devida resposta, por falta de capacidade.

“A resolução deste problema passa pelo aumento da capacidade de resposta da UTM, com a construção de uma nova unidade de internamento para doentes transplantados, um investimento de um milhão de euros”, segundo o IPO de Lisboa.

Este hospital adiantou que “a UTM será aumentada para 12 quartos individuais, todos adequados às especificidades dos doentes que necessitam de internamentos de longa duração, em ambiente de baixo teor microbiano (isolamento) e com os níveis de conforto, higiene e segurança recomendados”.

“Com este investimento, conseguiremos melhorar a qualidade dos serviços prestados aos doentes, que passarão a ser transplantados e internados em instalações adequadas, com conforto e em segurança. Os ganhos de produção também serão significativos: a abertura de mais cinco camas permitirá a realização de mais cinco transplantes por mês, 61 por ano, o que quase duplica a capacidade de resposta do IPO Lisboa”, indica a instituição.

A construção desta nova unidade de transplantação de medula deverá permitir a realização de 147 transplantes no primeiro ano e 156 transplantes a partir do segundo ano, após o período de adaptação da equipa de saúde à nova estrutura de internamento.

Francisco Ramos, presidente do conselho de administração do IPO de Lisboa, escreveu no livro “30 anos — 30 escolas” que a sua equipa está determinada “a continuar a fazer história”.

“Queremos continuar na vanguarda das atividades médica, científica, assistencial e de formação. Queremos responder em tempo útil às necessidades dos doentes que precisam de ser transplantados. Queremos continuar a prestar cuidados de saúde de qualidade. Queremos continuar a tratar e a cuidar com humanidade e a ser merecedores da confiança que os doentes e a sociedade depositam”, lê-se no livro.

No dia do lançamento deste livro será igualmente lançada a Agenda Solidária 2018, cuja verba resultante das vendas contribuirá para a construção da nova UTM do IPO de Lisboa.

O livro conta com o alto patrocínio do Presidente da República — que estará presente no lançamento do livro “30 anos — 30 histórias” e da Agenda Solidária 2018 — e reúne textos de 12 personalidades que partilham uma história importante sobre uma “primeira vez” que fez a diferença no seu percurso de vida e na sua entrega aos outros.

Guilherme de Oliveira Martins, Rita Blanco, Frei Fernando Ventura, Fátima Lopes, Rodrigo Guedes de Carvalho, Maria Manuel Mota, Rui Patrício, Patrícia Reis, Zé Pedro, Clara Ferreira Alves, Bruno Nogueira e Maria Teresa Horta são os autores dos 12 textos.