A Polestar, o outrora preparador de modelos de competição da Volvo e hoje em dia marca independente, deu a conhecer o seu modelo de estreia – o Polestar 1. Trata-se de um deslumbrante coupé de duas portas, claramente inspirado no Volvo Concept Coupé de 2013, e com um sistema de propulsão híbrida capaz de garantir uma autonomia máxima, em modo eléctrico, de até 150 km.

Polestar 1 já pode ser reservado

Mostrar Esconder

A Polestar está já a aceitar encomendas para o novo coupé, embora não exista ainda qualquer preço definido para o modelo. Nesta fase inicial, as vendas serão feitas apenas online, mediante um plano de subscrição a dois ou três anos de distância.

Ao mesmo tempo, estão já a ser desenvolvidos espaços dedicados de exposição, que o fabricante denomina de “Polestar Spaces”.

Sem esconder as parecenças com a nova série 90 da Volvo, mas que também se estendem à plataforma SPA e ao hardware que o modelo de estreia da Polestar foi buscar à “irmã” sueca (em ambos os casos, uma parte é resultado do esforço conjunto dos dois fabricantes, especificamente para este novo produto), o Polestar 1 corta, no entanto, com as propostas do fabricante de Gotemburgo em domínios como a motorização. A qual, nesta nova proposta passa, pelo menos para já, única e exclusivamente por um sistema híbrido, a debitar qualquer coisa como 600 cv de potência e 1.000 Nm de binário.

Por outro lado, e porque o peso também conta, o Polestar 1 tem uma carroçaria totalmente fabricada em fibra de carbono, ao mesmo tempo que viu melhorada a rigidez torcional, face ao S90, em cerca de 45%. Contando ainda com um eixo traseiro electrificado com capacidades de vectorização de binário, para garantir uma condução mais precisa e um melhor e mais eficaz aproveitamento da potência que chega às rodas.

Embora a Polestar não tenha divulgado quaisquer números relativos à performance do 1, os atributos técnicos fazem prever que o coupé consiga suplantar os valores anunciados, por exemplo, para o Volvo S90 T8. Versão híbrida que, recorde-se, necessita apenas de 5,2 segundos para acelerar dos 0 aos 100 km/h, fixando como velocidade máxima os 240 km/h. Mas que, quando comparado com o Polestar 1, também tem menos 200 cv de potência e 360 Nm de binário.

Repleto de predicados, resta agora esperar pela passagem à produção deste promissor coupé de duas portas e quatro lugares, a qual deverá ter início em meados de 2019, numa fábrica que a marca vai erigir em Chengdu, na China. E que deverá ficar terminada já em meados do próximo ano.

Rival do Model 3 a caminho

Aproveitando o lançamento do modelo de estreia da sua nova marca, o Grupo Volvo deu também a conhecer a ofensiva, em termos de produto, que tem definida para os próximos anos.

Em finais de 2019, deverá surgir uma segunda proposta, denominada Polestar 2, que, além de mais pequena nas dimensões, pretende ser um rival directo do Tesla Model 3. Além de ser o primeiro veículo genuinamente eléctrico lançado pelo Grupo Volvo.

Lá mais para a frente, o grupo admite a possibilidade de surgir ainda um Polestar 3, o primeiro SUV da nova marca.

De resto, só entre 2019 e 2021, o grupo prevê lançar até um total de cinco veículos eléctricos, alguns deles ostentando o logótipo da Polestar, outros com o emblema da Volvo. Sendo que só na primeira, e com o objectivo de colocar a nova marca no mapa dos fabricantes de desportivos, tanto o Grupo Volvo como os seus verdadeiros proprietários, os chineses da Geely, prevêem investir qualquer coisa como 640 milhões de euros.