Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Mais de metade das revisões administrativas feitas pela Autoridade Tributária deram razão aos contribuintes que as pediram. Dados do ano passado, que constam do relatório de combate à fraude e evasão fiscal, mostram que 50,4% destes processos foi favorável aos contribuintes. Confrontado com estes números, na comissão parlamentar de orçamento e finanças, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais afirmou: “Fico satisfeito quando a Autoridade Tributária reconhece que o contribuinte tem razão”.

António Mendonça Mendes sublinha que a orientação dada à administração fiscal vai no sentido de que não deve litigar quando não tem razão. “Não vale a pena litigar quando não tem razão. A máquina fiscal não serve para uma voracidade de receita, mas sim para cobrar os impostos e gerir esses impostos. E no âmbito da justiça tributária é importante que sempre que haja um erro se possa assumir o erro”.

Mendonça Mendes assinala também que os resultados são diferentes quando se chega ao nível do contencioso. No caso dos recursos hierárquicos, reclamações feitas dentro do próprio fisco, 56% dos processos são favoráveis à Autoridade Tributária. Quando chegamos a justiça tributária para processos acima de um milhão de euros a taxa de sucesso da administração fiscal sobe para quase 60%.

O governante foi ainda confrontado com o aumento das dívidas fiscais prescritas no ano passado. Mendonça Mendes, que substituiu Rocha Andrade em julho, adianta que a Autoridade Tributária deixou acumular dívidas ao longo dos anos sem reconhecer que já estavam prescritas. O que se fez este ano, sublinha, “foi assumir que o processo de cobrança estava prescrito”, uma decisão de “coragem” e “transparência” e que não corresponde ao “desleixo dos funcionários”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O relatório de combate à evasão fiscal do ano passado, — ainda assinado pelo anterior secretário de Estado que se demitiu na sequência da investigação judicial ao Galpgate — aponta para a prescrição de dívidas no valor de 306,3 milhões de euros, um valor que é mais do dobro do registado em 2015, ainda com o anterior Executivo em funções.

O documento aponta ainda para a aceleração das cobranças coercivas para 1.540 milhões de euros, face a 1.286 milhões de euros em 2015, uma subida que também é explicada pela adesão dos contribuintes ao programa de pagamento extraordinário de dívidas fiscais, o PERES.

Fisco antecipa em quatro meses prazo para bancos reportarem transferências para offshores