Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Rui Esteves, antigo Comandante Operacional Nacional da Proteção Civil, desviou meios do grande incêndio que deflagrou no concelho de Mação, em julho, contrariando o comando distrital, avança a TSF.

A suspeita já tinha sido levantada pelo presidente da Câmara Municipal de Mação e foi agora confirmada pela “fita do tempo” do fogo, entretanto encaminhada para o Ministério da Administração Interna. De acordo com o documento, a que a TSF teve acesso, o Grupo de Reforço para Incêndios Florestais, de Aveiro, foi retirado do teatro de operações por ordem de Rui Esteves.

A ordem do Comandante Operacional aconteceu numa altura em que as chamas já lavravam há cerca de 20 horas. O incêndio de Mação consumiu 18 mil hectares de floresta no distrito,cinco mil em Proença-a-Nova e mil na Sertã. Cerca de 200 pessoas tiveram de ser evacuadas e 15 casas ficaram destruídas.

Para Vasco Estrela, a “fita do tempo” é a prova derradeira de que algo “extremamente grave” aconteceu. À TSF, o autarca recordou que foi a decisão tomada por Rui Esteves, que se demitiu do cargo em setembro na sequência da polémica da licenciatura, fez com que o fogo se tornasse incontrolável. Além disso, Vasco Estrela disse não fazer qualquer sentido que uma pessoa, que estava a 200 quilómetros de Mação, em Lisboa, tivesse decidido avançar com uma decisão contrária à do comandante distrital, que estava no terreno.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR