10 polícias venezuelanos foram detidos pelo alegado envolvimento na morte de dois indígenas que, a 22 de setembro, protestavam pela falta de alimentos na localidade de Tucupita, a 720 quilómetros a sudeste de Caracas.

Num comunicado divulgado esta sexta-feira em Caracas, o Ministério Público (MP) explica que os funcionários detidos pertencem à Polícia do Estado de Delta Amacuro, que as vítimas pertenciam à etnia Warao e que foram identificadas como Jesus Gregório Zambrano Moraleda, de 21 anos, e Jonás José Alcántara Morillo, de 19.

O MP adianta que os polícias foram formalmente acusados dos delitos de “homicídio agravado em segundo grau, com traição e motivos fúteis e ignóbeis”, assim como de “tratamento cruel e uso indevido de uma arma orgânica”.

Na manhã de 22 de setembro, duas centenas de pessoas concentraram-se na estrada nacional que liga a Tucupita, de onde marcharam até uma sucursal local da rede estatal de supermercados Mercal, para exigir que as autoridades realizassem uma operação de venda de alimentos escassos. No local, segundo o MP, encontravam-se 21 agentes da Polícia de Delta Amacuro e vários oficiais da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As investigações dão conta que, pelas 18h00 locais, os funcionários teriam disparado contra a multidão. Quatro pessoas ficaram feridas e duas morreram, uma com um tiro no tórax e a outra com um tiro na cabeça.

O MP coordenou a investigação correspondente e as respetivas diligências realizadas pelo Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (CICPC, antiga Polícia Técnica Judiciária), que permitiram a captura, a 16 de outubro, dos responsáveis pelo crime”, adianta o comunicado.