Rádio Observador

Presidente Trump

Barack Obama e George W. Bush criticam Donald Trump – sem precisarem de falar nele

158

Os antigos presidentes dos Estados Unidos Barack Obama e George W. Bush criticaram Donald Trump, separadamente, sem nunca dizerem o nome do atual presidente. Trump ainda não comentou.

Bush e Obama nunca concordaram em muita coisa, mas desta vez tiveram posições semelhantes

Os antigos presidentes dos Estados Unidos Barack Obama e George W. Bush criticaram o clima político atual naquele país. Os comentários dos dois ex-governantes foram interpretados como críticas clara à administração Trump – mas a verdade é que nenhum deles disse o nome, ou referiu, o atual presidente norte-americano.

Obama falou no estado da Virginia, Bush falou em Nova Iorque. A ação de campanha de Ralph Northam, candidato democrata a senador da Virginia, marcou o regresso de Barack Obama às andanças políticas e aos discursos. Na altura em que deixou a Casa Branca, em janeiro, prometeu fazer aquilo que Bush havia feito e retrair-se no que toca a comentários ou posições políticas.

O primeiro presidente negro dos Estados Unidos começou por referir isso mesmo e dizer que “como têm reparado, não tenho comentado muita coisa ultimamente. Mas há uma coisa que eu sei: se alguém tem de ganhar uma campanha a dividir as pessoas, não vai ser capaz de as governar. Não vai ser capaz de as unir se começou assim”.

Apesar de nunca o ter feito publicamente, Obama tem criticado Donald Trump em posições escritas, principalmente no que toca à anulação do Obamacare e à inversão de marcha nas políticas ambientais e de emigração. Mas esta terça-feira, Obama regressou em “modo campanha” e levou os seus apoiantes numa viagem no tempo até 2008.

Sem nunca dizer o nome de Donald Trump, foi desenrolando críticas atrás de críticas ao atual presidente e às suas decisões desde que venceu as eleições em novembro. “Em vez de políticas que refletem os nossos valores, temos políticas que infetam as nossas comunidades”, afirmou Obama, num estado que fez capas de jornais no mundo inteiro devido às manifestações de supremacistas brancos na cidade de Charlottesville, onde uma ativista acabou por morrer.

A questão agora, numa altura em que as nossas políticas estão tão divididas e tão zangadas e tão sujas, é se conseguimos recapturar esse espírito, se conseguimos apoiar e receber alguém que quer aproximar as pessoas. Sim, nós conseguimos.”, declarou Barack Obama, recordando o slogan de 2008 “yes, we can”. A multidão explodiu de entusiasmo e repetiu a frase várias vezes.

O antigo presidente disse ainda que “em vez de procurarmos maneiras de trabalharmos juntos para fazer as coisas de uma maneira prática, temos pessoas que estão deliberadamente a tentar chatear outras pessoas, a demonizar pessoas que têm ideias diferentes” e evitou novamente referir o nome de Donald Trump.

George W. Bush, por sua vez, falou numa conferência organizada pelo instituto que tem o seu nome, em Nova Iorque. O antigo presidente republicano condenou a intolerância e aquilo a que chamou teorias da conspiração.

Tal como Obama, nunca disse o nome de Donald Trump. Discursou de uma maneira crítica e agressiva, mas sempre ambígua e sem acusações diretas. Impulsionou os americanos a condenar a supremacia branca e a aceitar a globalização.

A intolerância parece ser encorajada. A nossa política parece mais vulnerável a teorias da conspiração completamente fabricadas”, atirou Bush, para logo acrescentar que “a intolerância em todas as suas formas é uma blasfémia ao credo americano, que diz que a identidade da nossa nação depende da passagem de ideais cívicos à próxima geração”.

Ainda que George W. Bush esteja afastado da política e dos grandes centros de poder desde que saiu da Casa Branca, em 2009, o desdém da sua família por Donald Trump é bem conhecido. Em 2016, enquanto fazia campanha pelo irmão Jeb para as primárias republicanas, o antigo presidente teve posições semelhantes quanto a Trump. Mais recentemente, em conjunto com o pai, o também antigo presidente George W. H. Bush, faltou à convenção republicana em que Donald Trump foi oficialmente nomeado candidato presidencial e recusou votar nele nas eleições de novembro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)