Rádio Observador

Incêndios 2016

Cristas diz que “não é bom sinal” atraso na transferência de verbas para a Madeira

167

Assunção Cristas considera que os atrasos das verbas prometidas pelo Governo depois dos incêndios de 2016 para a região autónoma não são "bom sinal".

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, disse esta sexta-feira em Santana, na Madeira, que “não é bom sinal” saber que o Governo da República ainda não transferiu para a região autónoma as verbas que prometeu após os incêndios de 2016.

A responsável vincou que esta situação deve ser encarada como um “alerta”, considerando a necessidade do apoio do Estado para a reconstrução das zonas afetadas pelos incêndios do passado domingo, que provocaram a morte de 43 pessoas.

“Não é bom sinal ver que, passado um ano do incêndio aqui na Madeira, continuamos à espera das verbas prometidas e que ainda não chegaram”, disse Assunção Cristas, sublinhando que “isso significa que tem de se ter um alerta máximo na fiscalização do Governo nesta matéria”, uma vez que “não se comportou bem”.

A líder centrista recordou que o executivo de António Costa prometeu 17 milhões de euros para a reconstrução da ilha, particularmente do concelho do Funchal, após os incêndios de agosto de 2016, que provocaram a morte de três pessoas e avultados prejuízos materiais.

“Um ano depois, o reporte que me foi dado é que muito pouco chegou, cerca de 80 mil euros, talvez já um pouco mais”, disse, enfatizando que a diferença de valores é “muito grande”.

Assunção Crista reforçou, por outro lado, que a moção de censura ao Governo apresentada pelo seu partido se justifica porque o Estado e o executivo “falharam fortemente” no caso dos incêndios de Pedrógão Grande e do passado fim de semana.

Se a morte de mais de cem pessoas, com dois episódios repetidos com uma distância de quatro meses, onde se provou falha do sistema, comandado e dirigido pelo Governo, se isso não é razão para uma moção de censura, então tenho de vos dizer que não há mais nenhuma razão válida no nosso país para censurar o Governo”, realçou.

A líder do CDS-PP deslocou-se ao concelho de Santana, no norte da ilha da Madeira, para assistir à tomada de posse do presidente da Câmara Municipal, Teófilo Cunha, que reforçou a maioria absoluta nas eleições de 01 de outubro e é o único autarca centrista a liderar um município na região autónoma.

Assunção Cristas destacou o “contributo significativo” que o CDS-PP/Madeira deu para o “bom resultado” nacional e vincou que o partido está a crescer um pouco por todo o país e com “muita vontade” de se afirmar como uma “grande alternativa” de centro-direita em Portugal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)