Exército

Exército confirma furto de peças de blindados em Santa Margarida

349

O Exército reconhece que, no Campo de Santa Margarida, há "pedaços de metal soltos" que são furtados durante a noite por "sucateiros". Só a área edificada está "fechada, vigiada e segura".

PAULO NOVAIS/LUSA

O Exército confirma que foram retiradas partes de blindados estacionados no Campo de Santa Margarida. Em comunicado, o ramo refere que o desvio desses materiais é feito por “sucateiros que, normalmente à noite, entram nas áreas dos alvos do exercício com o propósito de recolher pedaços de metal soltos resultantes do impacto dos projéteis”.

Os esclarecimentos do Exército surgem na sequência de uma notícia publicada esta quinta-feira pelo Observador dando conta de que a GNR e a Polícia Judiciária Militar estavam a investigar o desvio de partes de carros de combate usados instalados na “linha de alvos” do Campo de Santa Margarida. O comunicado enviado pelo ramo refere que “o Exército utiliza, para o tiro real de munições de grande calibre, algumas ‘carcaças’ de dimensão considerável, como viaturas e carros de combate, sendo a sucata do M47 um exemplo”.

E sublinha que aquela base militar tem um total de 67 quilómetros quadrados, “sendo utilizada por militares em exercícios, mas também por civis”. Uma parte da base, de três quilómetros quadrados, corresponde à área edificada: está “fechada, vigiada e segura”, garante o Exército. E, depois, há uma “vasta área” de 64 quilómetros quadrados, onde são feitos os exercícios de tiro por parte dos vários ramos das Forças Armadas.

“A zona não edificada do Campo Militar de Santa Margarida, pelas suas dimensões e pelas vantagens da utilização partilhada entre militares e civis, não é vedada”, reconhece o Exército, sublinhando, ainda assim, como o Observador já tinha referido, que é montado um perímetro de segurança quando ali são realizados exercícios de tiro.

Quando são detetadas presenças não autorizadas no terreno da base militar, o Exército “informa a GNR, apresenta queixa nos termos da lei e colabora com as autoridades nas investigações desenvolvidas que, no caso agora referenciado, conduziram a GNR à apreensão da sucata indevidamente recolhida e à detenção do presumível autor do ilícito”.

As peças desviadas do Campo de Santa Margarida foram encontradas numa sucata da Chamusca, a cerca de 20 quilómetros da base militar. Foi também na Chamusca que a Polícia Judiciária Militar encontrou, num terreno a céu aberto, a maior parte do material de guerra furtado de Tancos. Os dois casos não têm, segundo fonte da PJM, qualquer relação entre si.

No entanto, as armas recuperadas estão a ser alvo de análise precisamente em Santa Margarida, para confirmar se se trata do material furtado de Tancos. Ao mesmo tempo, aquela base militar é um dos pontos que o Exército admitia poder vir a albergar o material de guerra atualmente guardado em Tancos, por se entender que oferece maiores condições de segurança.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)