Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Se há carro que promete ter a magia de uma máquina do tempo, este será um deles: um Alfa Romeo G1 Racer. Modelo de 1921 que promete fazer as delícias dos coleccionadores e pôr meio mundo (só ‘aquele meio’ que dispõe de 1,5 milhões para cima) a licitar até ‘cansar’ o martelo. Porquê? Desde logo porque se trata do primeiro modelo de produção da casa de Arese e logo na versão de competição; depois, porque a Alfa Romeo terá fabricado apenas 52 exemplares do G1; e, finalmente, porque se acredita que esta unidade é a única (passe a redundância) que resta.

Mantendo o mesmo motor de seis cilindros, um 6.3 em linha com 70 cv, que lhe permitia atingir uns estonteantes 128 km/h, o G1 não deixou de se destacar à época – e não foi (só) pelo charme italiano, mas sim porque na altura o mercado era dominado pelo Ford T, com uns mais tranquilos 20 cv.

Estimando-se que venha a ser arrematado por um valor superior a 1,5 milhões de dólares, este G1 vai à praça em Janeiro, num leilão organizado pela RM Sotheby´s em Phoenix, no Arizona (EUA).

De acordo com a leiloeira, este clássico não é apenas o primeiro modelo da Alfa e o único cuja existência se conhece. Recebeu vários prémios em Pebble Beach, foi estrela em vários eventos por esse mundo fora e… funciona. Sim, ainda pode ser conduzido!

O Alfa Romeo em questão tem o chassi com o número 6018, pelo que deve ter sido mesmo um dos primeiros a serem produzidos. Tal como grande parte da produção, foi expedido para a Austrália, onde o dono o terá guardado durante bastante tempo. Segundo a RM Sotheby´s, acabou por ser adquirido em 1965 por um entusiasta da Alfa Romeo que o restaurou nos anos 1970. Exibe a actual condição desde 2000.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR