Subiu esta terça-feira para 45 o número de vítimas mortais relacionadas com os incêndios do domingo que ficou conhecido como “o pior dia do ano”. Uma mulher que tinha sido transferida de Viseu para o Hospital da Prelada, no Porto, acabou por morrer esta manhã.

A informação foi confirmada em comunicado do hospital nortenho. “É com pesar que informamos que o doente internado na Unidade de Queimados do Hospital da Prelada, transferido de Viseu na madrugada de 16 de outubro na sequência dos incêndios que deflagraram na região, não resistiu à gravidade das queimaduras”. Segundo o Correio da Manhã, tratava-se de uma mulher.

Há uma segunda vítima que também foi transferida no mesmo dia, 16 de outubro, que está com prognóstico reservado e um quadro clínico de instabilidade.

De acordo com a ANPC, a maior parte das vítimas mortais são dos distritos de Coimbra e de Viseu.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, em junho deste ano, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou, segundo a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos. Registou-se, ainda, a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.