Seguros

Segurados portugueses são passivos e pouco informados, revela estudo da DECO

Os portugueses revelam ser pouco informados sobre os seguros que contratam, a grande maioria mantém-se fiel à sua seguradora durante largos anos e poucos leem com detalhe o contrato assinado.

Mario Cruz/LUSA

Os portugueses revelam ser pouco informados sobre os seguros que contratam, a grande maioria mantém-se fiel à sua seguradora durante largos anos e poucos leem com detalhe o contrato assinado, revela um inquérito da DECO, divulgado esta terça-feira.

As conclusões do questionário da edição de novembro da revista da DECO Dinheiro & Direitos, baseadas em 1.817 respostas de segurados entre os 30 e os 74 anos, mostram que apenas uma pequena parte da população, ou 30% dos portugueses, contrata seguros de saúde. Um quarto dos portugueses com seguro de saúde já mudaram de seguradora para reduzir custos, revela o inquérito sobre seguros da associação de defesa do consumidor DECO.

Dos que têm seguro de saúde, apenas 39% leem as letras todas do contrato, 29% contratam o seguro através do banco e apenas um quarto mudam de seguradora. Destes que mudam, apenas 25% invocaram o custo para justificar essa mudança. Além de passivos, os segurados inquiridos revelam ser pouco informados sobre os seguros que contratam, não só nos seguros de saúde e de vida, mas também nos automóvel e multirriscos – habitação.

No seguro automóvel, dois terços dos segurados inquiridos admitem nunca terem cancelado um contrato, por sua iniciativa, antes do fim do prazo. Nos multirriscos – habitação o número sobe para 84% e no seguro de saúde para 88%.

A Deco conclui ainda que a grande maioria dos segurados se mantém fiel à sua seguradora durante largos anos e poucos leem com detalhe o contrato assinado: 5% dos que têm seguro automóvel e multirriscos, e 6% dos que detêm apólices de saúde. No seguro de vida, um quarto não sabe o tipo de apólice de que é titular e 75% desconhecem o valor a ser pago em caso de morte.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

É desta que fazemos valer a nossa geração?

Teresa Cunha Pinto

Esta geração vive com a barriga cheia de uma grande ilusão. De que é a geração mais informada, mais qualificada, mais viajada. É pura ilusão porque em nada se concretiza e materializa. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)