Rádio Observador

Fenprof

Fenprof lança petição para levar ensino particular e cooperativo ao parlamento

A Fenprof lançou uma petição que visa levar ao parlamento os contratos coletivos de trabalho dos professores. Mário Nogueira vai reunir com a secretária de Estado da Educação a 3 de novembro.

Um conjunto de professores concentrou-se esta quarta-feira em frente ao Colégio dos Carvalhos, em Vila Nova de Gaia

JOSÉ COELHO/LUSA

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) iniciou esta quarta-feira em Vila Nova de Gaia uma petição para levar à Assembleia da República (AR) a discussão do contrato coletivo de trabalho dos professores do ensino particular e cooperativo.

Em busca das quatro mil assinaturas necessárias para que a reclamação seja debatida no plenário da AR, um conjunto de professores concentrou-se esta quarta-feira diante do Colégio dos Carvalhos, em Vila Nova de Gaia, numa iniciativa que será replicada por todo o país.

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, associou-se ao evento para criticar a forma como o contrato coletivo de trabalho foi negociado nos últimos três anos pela central sindical UGT.

“A ideia é levar a petição à Assembleia da República, mas não temos um prazo. Pensamos que durante o mês de novembro será possível recolher, pelo menos, as quatro mil assinaturas necessárias para obrigar à discussão no plenário da AR”, revelou.

Os cerca de 20 mil professores abrangidos representam, para além do ensino regular particular e cooperativo, as escolas de ensino artístico especializado particular e também do ensino profissional.

O sindicalista frisou viver-se, no ensino particular e cooperativo, “uma situação extremamente complicada” para os professores que ficaram sujeitos a um contrato coletivo de trabalho de que, não havendo outro, muitas entidades patronais se aproveitaram.

Aumentaram muito os horários de trabalho, reduzindo os salários e assim impedindo a progressão nas carreiras, além de que estão a pressionar e praticamente a obrigar os colegas a aceitá-lo”, denunciou o secretário-geral.

Acusando o contrato negociado pela UGT de “não respeitar a natureza da profissão de docente”, revelou que atualmente um “professor no ensino particular tem, no mínimo, um horário de trabalho médio semanal de 50 horas, quando o contrato estabelece 35”.

“É a própria qualidade do ensino neste contrato imposto pela UGT e as entidades empregadoras que está em causa”, argumentou Mário Nogueira, declarando que a petição tem como objetivo “pressionar quer a entidade patronal quer o Ministério da Educação a resolver este grave problema”.

O líder da Fenprof anunciou ainda reuniões, a 3 de novembro, com a secretária de Estado da Educação, sobre a questão do ensino particular e cooperativo, e também no dia 14, com a confederação patronal, buscando a “aprovação de um contrato diferente”, sendo que, no sábado, às 15:00, haverá concentração em Lisboa, junto à confederação patronal que depois se deslocará para o Ministério da Educação”.

Mário Nogueira deu conta ainda da receção, com alguma regularidade, de “denúncias de situações de abuso na utilização de dinheiros públicos e na relação com os professores”, na sua maioria “feitas anonimamente por muitos pais”.

“São denúncias que encaminhámos para o Ministério Público e para Inspeção Geral de Educação, pois têm também a ver com a organização de turmas para efeitos de financiamento”, disse.

O dirigente sindical Fernando Carvalho, professor há cerca de 30 anos no Colégio dos Carvalhos, denunciou que a administração do colégio “implementou este ano de forma abusiva, e foi avisada disso, o contrato da FNE, desrespeitando todos os professores que se encontram filiados no SPN/FENPROF”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Cheques de Ensino

Diogo Fernandes Sousa

Com os cheques de ensino se um pai se enganasse afetaria apenas o seu filho. Agora, se um político se engana no Ministério da Educação, como sucede regularmente, afeta toda uma geração de estudantes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)