Rádio Observador

China

Xi Jinping: mais cinco anos de poder, sucessores afastados e no patamar histórico de Mao

O congresso do PC Chinês confirmou a nomeação de Xi Jinping para secretário-geral e afastou os seus potenciais sucessores. O seu nome está agora na constituição do partido, ao lado de Mao e Xiaoping.

Xi Jinping é Presidente da China desde 2012

Lintao Zhang/Getty Images

Xi Jinping foi re-eleito para o cargo de secretário-geral do Partido Comunista da China (PCC), o que faz dele automaticamente o Presidente chinês para os próximos cinco anos. A votação, a cargo do comité central do PCC, deixa poucas janelas abertas para o futuro, à medida que Xi Jinping ganha ainda mais poder e protagonismo e outras figuras de topo, até agora frequentemente apontadas como potenciais sucessores, são despromovidas.

O congresso do PCC concretizou o poder o Presidente chinês, que subiu ao cargo em 2012, com uma medida paradigmática da sua influência: inscrever o seu nome na constituição do partido, sob a forma de “O Pensamento de Xi Jinping”. Esta medida simbólica equipara-o aos líderes mais poderosos da China comunista. Até agora, apenas os nomes de dois líderes podiam ser lidos naquele documento: o fundador da China comunista, Mao Tse-Tung; e o ideólogo por trás do modelo económico que tornou a China numa potência mundial, Deng Xiaoping. Este último, teve o seu nome inscrito na constituição do PCC apenas a título póstumo.

Além deste gesto simbólico, há também dados que deixam adivinhar a possibilidade de Xi Jinping estar cada vez inclinado mais para um terceiro mandato, a começar em 2022. Todos aqueles que foram eleitos para o Comité Permanente do PCC, o órgão mais importante do partido, têm entre 62 e 67 anos. Embora seja uma regra informal, a prática comum é que ninguém seja reeleito para aquele órgão — que funciona como uma espécie de rampa de lançamento para o cargo de secretário-geral — depois dos 68 anos.

A nova lista do Comité Permanente do PCC é também marcada pela ausência de alguns dos nomes que tinham sido até agora apontados como possíveis sucessores a Xi Jinping. É o caso de Hu Chunhua, secretário do PCC na província de Guangdong; de Chin Miner, secretário do PCC em Chongqing; ou Wang Qishan, o homem que é frequentemente referido como o braço direito de Xi Jinping e que tem liderado o combate à corrupção dentro do PCC, uma das causas de Xi Jinping. Aos 69 anos, Wang Qishan ultrapassa agora a linha dos 68 anos fixada para a renovação da cúpula do partido.

“Não devemos sequer pensar em parar para respirar ou andar mais devagar”

“O nosso partido demonstra uma liderança forte, firme e viva. O nosso sistema socialista demonstra uma grande força e vitalidade”, disse Xi Jinping na madrugada desta quarta-feira. “O povo chinês e a nação chinesa abrem os seus braços para um futuro brilhante.”

No seu discurso, após a confirmação da sua nomeação, Xi Jinping sublinhou que o atual caminho da China é para manter — o que passa tanto pelo combate à corrupção como pelo crescimento a nível internacional, no aspecto económico mas também militar.

“Não devemos sequer pensar em parar para respirar ou para andar mais devagar. Pelo contrário, temos de continuar a livrar-nos do vírus que corrói o tecido do partido e a fazer todos os esforços para abrir caminho a um ambiente político saudável de integridade e gerar ondas de energia positiva ao longo do nosso partido”, disse, sobre o tema da corrupção.

Sobre o papel da China no tabuleiro de xadrez internacional, disse: “Com confiança e orgulho, o povo chinês será firme na defesa da soberania do seu país da sua segurança e dos interesses do seu desenvolvimento”.

Num editorial do Global Times, jornal anglófono financiado pelo Estado chinês e, por isso, portador da mensgem que o PCC procura passar para o estrangeiro, pode ler-se que “a China não vai ser apenas uma nação forte com um exército de primeira categoria, vai também concentrar-se na procura insistente da harmonia, de um equilíbrio ecológico e da democracia”. “Posto de forma simples, os cidadãos da China vão viver vidas belas. Este país modernizado vai servir o seu povo, em vez de procurar a vingança contra o mundo num esforço de estabelecer uma hegemonia global”, lê-se naquele jornal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)