Rádio Observador

Água

Barragem de Fagilde, em Viseu, vai ter reforço de água devido à seca

A Barragem de Fagilde, que abastece os concelhos de Viseu, Mangualde, Nelas e Penalva do Castelo, vai ter um reforço de água. A reutilização de águas das ETAR está a ser avaliada.

As chuvas da semana passada serviram para apenas duas horas de consumo

NUNO VEIGA/LUSA

O secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, revelou esta quinta-feira que a Barragem de Fagilde – que abastece os concelhos de Viseu, Mangualde, Nelas e Penalva do Castelo – vai ter um reforço de água nos próximos dias.

“Decidimos um calendário de operações, umas a terem início já esta semana, a partir de amanhã [sexta-feira], no sentido de assegurar maiores quantidades de água para o sistema, a partir de origens externas”, avançou.

Em declarações à agência Lusa, Carlos Martins explicou que pretendem servir-se de recursos hídricos que até então não eram utilizados, implementando sistemas de tratamentos móveis, que possam estar operacionais já na próxima semana.

Identificámos, por exemplo, um conjunto de recursos hídricos que estavam em antigas pedreiras e que tinham volumes significativos e qualidade, que é compatível com sistemas de tratamento simplificados e móveis. Portanto, vamos mobilizá-los de modo a que tratemos essa água e, por via de camião cisterna, reforcemos os sistemas destes quatro municípios”, esclareceu.

De acordo com o secretário de Estado do Ambiente, esta reserva regional deverá assegurar o abastecimento de água a estes concelhos nos próximos 25 a 30 dias. No entanto, se se prolongar a seca atual, poderá vir a ser necessário fazer transporte de água por comboio, a partir do Entroncamento até Mangualde.

“Temos ainda uma solução relativamente mais sofisticada, do ponto de vista técnico, que é estarmos a avaliar a reutilização das águas residuais da ETAR de Viseu, que é uma ETAR que faz tratamento terciário, e fazer com que ela possa depois ser objeto de um tratamento complementar, no sentido de poder ser utilizada em usos compatíveis”, acrescentou.

Carlos Martins informou ainda que foram identificadas indústrias, grandes consumidores de água, mas que não necessitam de água tratada e podem receber água bruta.

“De maneira a baixar os custos, podem levar água bruta de barragens que estão nas redondezas, nomeadamente a Aguieira e na barragem que serve o Planalto Beirão, sem tratamento”, referiu.

Para a implementação destas medidas, o Ministério do Ambiente disponibilizou 250 mil euros ao conjunto dos quatro municípios.

“Esperamos que o clima possa de alguma maneira trazer alguma ajuda, pois as chuvas da semana passada serviram apenas para duas horas de consumo da cidade de Viseu. Esperemos que a breve trecho tenhamos melhores notícias do ponto de vista da precipitação”, apontou.

Até lá, estes municípios vão levar a cabo uma campanha de sensibilização ainda mais intensa, no sentido de levar as pessoas a reduzirem ainda mais os consumos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)