O porta-voz da coligação que anunciou esta sexta-feira um cessar-fogo entre curdos e o Governo iraquiano indicou agora que, afinal, trata-se de uma informação incorreta.

Segundo o coronel Ryan Dillon, o que se passou foi uma suspensão temporária das hostilidades registada durante as negociações entre o Governo iraquiano e a minoria curda, não ainda um acordo oficial de cessar-fogo.

Poucos minutos antes, Ryan Dillon informara que a coligação liderada pelos Estados Unidos obtivera um acordo de cessar-fogo entre Bagdad e a minoria curda no Iraque, interrompendo temporariamente os confrontos entre as duas partes. O porta-voz militar declarou que a coligação foi informada do cessar-fogo na manhã desta sexta-feira e que os oficiais da coligação estão a incentivar os dois lados a garantir que este acordo “não será apenas temporário”.

Os conflitos surgiram entre as forças lideradas por Bagdad e as forças curdas, conhecidas como peshmerga, no início deste mês, quando os militares do Iraque retomaram Kirkuk. Rica em petróleo, a cidade de Kirkuk é um dos principais focos de discórdia entre Erbil (capital do Curdistão iraquiano) e o Governo de Bagdad.

O referendo curdo que apoiou a independência do Curdistão, realizado em setembro, também provocou tensões entre a minoria curda e o Governo iraquiano, bem como em toda a região. O cessar-fogo acontece depois de mais de duas semanas de confrontos e de avisos da coligação de que esta disputa estava a distrair os dois lados da luta contra o Estado Islâmico (EI), que atua no norte do Iraque.