Catalunha

Separatistas catalães admitem participar nas eleições convocadas por Madrid

A Candidatura de Unidade Popular não põem de parte candidatarem-se às eleições de 21 de dezembro, referindo que a decisão final terá de ser dos seus militantes.

TONI ALBIR/EPA

A Candidatura de Unidade Popular (CUP), da extrema-esquerda separatista catalã, admite concorrer às eleições regionais marcadas pelo Governo espanhol, manifestando apoio ao executivo catalão demitido por Madrid, que também concorda que os independentistas vão a votos.

Em conferência de imprensa, a porta-voz da CUP, Núria Gibert, afirmou, quando questionada sobre a possibilidade de ir a eleições convocadas em consequência da destituição do governo regional catalão, que a decisão final terá de ser dos seus militantes.

Não descartamos apresentar-nos a 21 de dezembro porque não descartamos nada, e isto têm de ser os militantes a decidir”, declarou, indicando que o único mandato que a CUP reconhece é o do referendo conduzido à revelia de Madrid no dia 01 de outubro.

Quanto à autoridade do Estado espanhol, representado pelo chefe do Governo, Mariano Rajoy, e pela sua vice-presidente, Soraya Sáenz de Santamaria, a CUP afirma que não tem “nem rei nem vice-rainha”.

O vice-presidente do Governo demitido, Oriol Junqueras, escreveu numa carta aberta publicada no jornal El Punt-Avui que os separatistas “devem continuar a seguir em frente, sem nunca renunciar às urnas eleitorais”.

O parlamento regional da Catalunha aprovou na sexta-feira a independência da região, numa votação sem a presença da oposição, que abandonou a assembleia regional e deixou bandeiras espanholas nos lugares que ocupavam.

Ao mesmo tempo, em Madrid, o Senado espanhol deu autorização ao Governo para aplicar o artigo 155.º da Constituição para restituir a legalidade na região autónoma.

O executivo de Mariano Rajoy, do Partido Popular (direita), apoiado pelo maior partido da oposição, os socialistas do PSOE, anunciou ao fim do dia a dissolução do parlamento regional, a realização de eleições em 21 de dezembro próximo e a destituição de todo o Governo catalão, entre outras medidas.

Em resposta, no sábado, o presidente do governo regional destituído, Carles Puigdemont, disse não aceitar o seu afastamento e pediu aos catalães para fazerem uma “oposição democrática”, numa declaração oficial gravada previamente e transmitida em direto pelas televisões ao lado das bandeiras da Catalunha e da União Europeia, assumindo-se como líder de um país independente que pertence ao clube europeu.

“Continuamos a trabalhar para conseguirmos um país [Catalunha] livre” do domínio espanhol, afirmou o líder separatista catalão, assegurando que rejeita a utilização da “força”.

A partir de agora, cada ministério governamental de Madrid irá dirigir os correspondentes serviços regionais, tendo o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, delegado na sua vice-presidente, Soraya Sáenz de Santamaria, as funções e competências do presidente do governo da Catalunha cessante.

O Governo regional agora demitido por Madrid, apoiado desde 2015 por uma maioria parlamentar de partidos separatistas, organizou e realizou um referendo, considerado ilegal pelo Estado espanhol, em 01 de outubro último.

Nesse dia, numa votação com uma taxa de participação de 43% dos eleitores, votaram “sim” à independência 90% e os “constitucionalistas” (defensores da união com Espanha) boicotaram a consulta, ficando em casa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catalunha

A democracia espanhola no banco dos réus

Luís Ribeiro

Os catalães viveram a ilusão de que teriam o reconhecimento de uma individualidade pela qual anseiam há séculos. Enganaram-se no país. A democracia espanhola ainda teme a voz das suas autonomias.

Espanha

As duas Espanhas vão a eleições

Diogo Noivo

A estratégia eleitoral de todos os partidos espanhóis consiste em enfatizar o radicalismo do adversário, circunscrevê-lo a esse espaço e assinalar os riscos de traição no caso de vitória do oponente.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)