O primeiro-ministro elogiou esta segunda-feira as ações do presidente da Comissão Europeia no sentido de reabrir o processo para reforçar o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e para impulsionar o projeto piloto português para a reestruturação da floresta.

António Costa falava aos jornalistas no final de uma reunião de cerca de 45 minutos, em São Bento, com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, na qual também esteve presente o comissário português, Carlos Moedas.

Numa curta declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas, o líder do executivo português agradeceu o apoio da União Europeia após os incêndios de junho e deste mês em Portugal – fogos que, no seu conjunto, provocaram mais de 100 mortos.

Quero manifestar o meu agradecimento ao presidente Jean-Claude Juncker por toda a solidariedade manifestada pela União Europeia ao longo deste verão, quer através do Mecanismo Europeu de Solidariedade, quer também ao nível da mobilização de meios de apoio à proteção civil”, afirmou o primeiro-ministro.

António Costa elogiou depois, diretamente, o ex-primeiro-ministro do Luxemburgo. “Chocado com as circunstâncias em que vivemos este verão, o presidente Juncker reabriu um processo, que a comissão já tentou por várias vezes ter a aprovação dos Estados-membros, tendo em vista reforçar o Mecanismo Europeu de Proteção Civil”, disse.

António Costa elogiou ainda a forma como Jean-Claude Juncker pediu à comissária europeia responsável pela política regional para estudar a forma de Portugal poder ter “um projeto piloto, visando o reforço da reestruturação da floresta portuguesa”.

É preciso aumentar a prevenção estrutural contra os incêndios. Temos de possuir melhores condições para que não voltemos a ser confrontados com as ameaças que sofremos este verão”, acrescentou o primeiro-ministro português.

A reunião de São Bento antecedeu a deslocação de Jean-Claude Juncker ao Palácio de Belém, onde será convidado especial do Conselho de Estado.