Os crimes informáticos dispararam nos últimos 20 anos e em 2016 foram 9.246 os crimes desta categoria registados em Portugal. Em 1998, ano do primeiro caso de crime informático conhecido, houve 158 crimes do género.

A conclusão é de um trabalho do jornal Público, publicado na edição desta segunda-feira, que recorre a dados do Sistema de Informação das Estatísticas da Justiça da Direção-Geral da Política de Justiça que mostram ainda que, desde 1993, subiu também o número de crimes denunciados. Este valor aumentou 7%, de 307.333 para 330.872.

Quanto ao crime mais repetido no último ano, os dados mostram que se trata do furto: quatro em cada dez dos crimes cometidos em 2016. Mas há 24 anos eram ainda mais os casos denunciados, bem com o número registado de homicídios que, nos dias de hoje, desceu para 448 (eram 1801 em 1993). O mesmo aconteceu com crime de cheques sem cobertura, que era há 24 anos um dos mais verificados no país e hoje é residual: no ano passado houve apenas 74 casos do género, quando em 1993 eram quase 36 mil.