O presidente da Comissão Europeia garante Bruxelas colocou em “andamento todos os esforços que os mecanismos europeus permitem oferecer” aos “amigos portugueses”. À chegada ao Palácio de Belém — onde vai participar no Conselho de Estado — Jean-Claude Juncker promete ainda “refletir, após pedido de Portugal, sobre a reorganização da Proteção Civil europeia, que tem lacunas e fraquezas que é preciso remediar“. Lembrou ainda que já deu indicações ao comissário responsável para iniciar esse processo.

Juncker confessou que até “do ponto de vista pessoal” se sentiu “muito afetado” já que uma das vítimas do incêndio é um habitante da aldeia onde vive que se encontrava de visita a Portugal. Juncker falava de Jorge do Vale, de 51 anos, dono de um restaurante em Capellen (aldeia onde reside de Juncker quando não está na Bélgica), que morreu no incêndio de Vouzela.

Já o Presidente da República portuguesa agradeceu ao “amigo” Juncker toda a “solidariedade institucional europeia” demonstrada após a tragédia, elogiando a “perspetiva muito ambiciosa e corajosa da Europa e da União Europeia.” Agradeceu ainda o facto da União Europeia ter doado o prémio Princesa das Astúrias, no valor de 50 mil euros, às vítimas dos incêndios em Portugal e Espanha.

O presidente da comissão europeia, Jean-Claude Jucker participa esta tarde no Conselho de Estado (com início marcado para as 16h30) e em que um dos temas discutidos serão os desafios que a União Europeia enfrenta. A nível interno, o Orçamento do Estado para 2018, os incêndios que assolaram o país e as relações entre Presidente e primeiro-ministro marcam o momento do país.

Desde que tomou posse, em 9 de março de 2016, Marcelo Rebelo de Sousa já convocou sete reuniões do Conselho de Estado, o órgão político de consulta do Presidente da República.