Rádio Observador

Ílhavo

Homenagem a Carlos Paião reúne 600 músicos de Ílhavo em novo evento anual

2.179

O cantor Carlos Paião celebraria, na quarta-feira, 60 anos. Em Ílhavo, terra-natal do cantor, o aniversário vais ser celebrado com a criação de um novo evento anual.

LUSA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O cantor Carlos Paião (1957-1988) celebraria, na quarta-feira, 60 anos e esse aniversário vai celebrar-se em Ílhavo, terra natal do músico, com a primeira edição de um evento anual dedicado ao “rasgo” que lhe inspirou temas como “Playback”.

A iniciativa é do projeto cultural municipal 23 Milhas, que, em parceria com a associação Cais do Som, lança assim a Milha – Festa da Música e dos Músicos de Ílhavo, que vai decorrer de sexta-feira a domingo e nos anos seguintes se repetirá sempre por altura do aniversário do nascimento do cantor falecido aos 31 anos num acidente de viação – já então consagrado pelo sucesso de canções como “O Foguete”, “Cinderela” e “Vinho do Porto”.

Com um trajeto invulgar na música popular nacional, Carlos Paião é um símbolo de Ílhavo e, simultaneamente, de Portugal. (…) Queremos que seja uma inspiração para todos os músicos do concelho, pelo seu rasgo, qualidade e ambição”, defende Luís Ferreira, diretor do programa 23 Milhas.

Sempre com entrada livre, a primeira edição do evento envolve cerca de 600 músicos, prevê dez concertos na Casa da Cultura de Ílhavo e na Fábrica das Ideias da Gafanha da Nazaré, e integra ainda duas oficinas sobre a obra do artista, uma dirigida a escolas e outra a famílias.

O ponto-alto do programa é o espetáculo que, domingo às 17:00, levará as duas bandas filarmónicas do concelho ao palco da Fábrica das Ideias, para aí interpretarem – com artistas a solo e também com os participantes das duas oficinas – parte do repertório do músico que representou Portugal no Festival Eurovisão da Canção de 1981.

Propondo-se ser “muito mais do que uma homenagem”, a Milha reúne assim “alguns dos maiores talentos do panorama musical do município de Ílhavo”, envolvendo um leque de grupos e artistas que percorre de forma transversal todos os géneros musicais, “do popular ao erudito”.

O objetivo é que, a médio e longo prazo, o evento possa “promover e valorizar esses e outros” artistas, funcionando como “plataforma de comunicação entre músicos” e também como “espaço de oportunidade” para o lançamento de novos projetos nas áreas da produção, da formação, da edição e de outros domínios também relacionados com a criação.

Os grupos e artistas que integram a Milha são desafiados a interagir, partilhar e criar, dinamizando a produção musical do concelho, estabelecendo pontes entre os vários agentes e criando, a partir daqui, um desafio anual vai que constituir uma plataforma permanente de contacto entre os pares”, acrescenta Luís Ferreira.

“Esta primeira edição é apenas uma pista do que pretendemos fazer, uma vez que queremos criar uma ‘cena cultural’ em Ílhavo, dinamizando localmente ações que têm aspirações nacionais”, anuncia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)