Paris

Nadal vence em Paris e assegura número 1 do ranking até ao final do ano

O espanhol assegurou esta quarta-feira o primeiro lugar no ranking ATP até ao final do ano de 2017. Rafel Nadal tornou-se assim o primeiro tenista com mais de 30 anos a conseguir tal feito.

Getty Images

Rafa Nadal tornou-se senhor incontestado dos courts de ténis. Pelo menos até ao final do ano. O tenista espanhol venceu esta quarta-feira o sul-coreano Hyeon Chung na segunda ronda do Masters 1000 de Paris e garantiu matematicamente o primeiro lugar do ranking ATP até ao fim de 2017.

Esta é quarta vez que Nadal termina o ano civil no topo da cadeia alimentar do ténis mundial — já o tinha conseguido em 2008, 2010 e 2013. Mais: com este feito, o espanhol torna-se o mais velho tenista de sempre a terminar o ano no primeiro lugar do ranking ATP, como lembra o jornal desportivo AS. Nunca um tenista com mais de 30 anos tinha alcançado tal registo desde que o ranking foi criado, em 1973.

Com esta vitória em Paris, Nadal, que somou a 66ª vitória da temporada, chegou aos 10.555 pontos no ranking. Roger Federer, segundo no ranking, está a 1.550 pontos, o que significa que nem mesmo uma vitória no ATP Finals de Londres permitiria ao suíço alcançar o registo do espanhol.

Nadal iguala assim as conquistas de McEnroe, Lendl e Djokovic como os únicos atletas na história do ténis a conseguirem terminar o ano como número 1 em quatro ocasiões distintas. Roger Federer, com quem Nadal manteve uma das rivalidades mais épicas do desporto mundial, Pete Sampras e Jimmy Connors mantêm o recorde em cinco.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A janela de Victor Hugo /premium

Paulo Tunhas

Notre-Dame é algo perfeitamente identificável por toda a gente. Dito de outra forma: num indivíduo que todos conhecemos. E o fogo confrontou-nos com a possibilidade de assistir em directo à sua morte.

Paris

A Páscoa, o Papa e a Notre Dame

Rita Fontoura
112

A Europa está a arder por dentro e infelizmente não há quem possa garantir que, quando o fogo acabar, será reconstruída desde que existam os fundos. Na Europa somos nós os incendiários e os bombeiros.

Paris

A Notre-Dame de Paris (e nossa) /premium

André Abrantes Amaral

A Notre-Dame de Paris foi construída num tempo de mudança, para fazer face a essas mudanças, mas também para fazer parte delas. Era um marco de um tempo em que a Igreja estava a par do tempo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)