Rádio Observador

Arte Urbana

Vhils com dois novos murais em Macau e um filme sobre a cidade na calha

194

O artista Alexandre Farto, conhecido como Vhils, inaugura na sexta-feira dois novos murais em Macau, e está a trabalhar numa curta-metragem sobre o seu trabalho na cidade.

CARMO CORREIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O artista Alexandre Farto, conhecido como Vhils, inaugura na sexta-feira dois novos murais em Macau, e está a trabalhar numa curta-metragem sobre o seu trabalho na cidade.

Vhils, que já deixou a sua marca em Macau através de murais no consulado de Portugal, na Escola Portuguesa, na ilha da Taipa e de uma exposição nas Oficinas Navais (intitulada “Destroços”), mostra agora dois novos trabalhos na zona do Porto Interior, que fazem parte do Festival Outloud, que decorre de sexta-feira a domingo.

São “duas peças murais inspiradas na mesma série que produzi aquando da exposição ‘Destroços / Debris’, no âmbito da qual já tinha feito uma recolha de padrões, imagens, retratos que dizem respeito à realidade de Macau”, explicou à agência Lusa.

Ao mesmo tempo, Alexandre Farto está a trabalhar numa curta-metragem sobre o seu trabalho na cidade, em conjunto com o realizador José Pando Lucas, que acompanhou o processo de produção da exposição “Destroços/Debris”.

“Grande parte do material foi recolhido na altura, e faz parte da reflexão particular que desenvolvi sobre o território assim como o contexto maior das questões que tenho vindo a trabalhar em vários locais do mundo — a natureza das sociedades urbanas contemporâneas, o modelo de desenvolvimento global e a sua contribuição para a crescente uniformização e a erosão das identidades culturais locais. Este filme é também uma modesta homenagem a Macau e às suas gentes”, disse.

Segundo Vhils, Macau “é um local particularmente interessante para trabalhar devido às suas características históricas que refletem um passado e um presente de grandes contrastes”, sendo que a zona do Porto Interior se destaca “pela riqueza de camadas históricas que contém nas suas paredes”.

“Infelizmente, esta zona foi muito afetada pelo tufão Hato, pelo que, para mim, fez ainda mais sentido fazer aqui estas intervenções”, afirmou.

Macau foi atingida a 23 de agosto pelo tufão mais forte em 53 anos, que causou dez mortos, mais de 240 feridos e avultados danos. Alguns trabalhos de Vhils constam da lista de ‘vítimas: um mural na Escola Portuguesa e várias peças que se encontravam na exposição nas Oficinas Navais.

Neste momento não há planos para substituir o mural da escola, onde existe ainda outra intervenção, mas as peças da exposição deverão ser reparadas.

Macau é “um dos locais com mais obras” do artista fora de Portugal. “É difícil de contabilizar ao certo porque há peças que vão desaparecendo, pois a natureza de trabalhar no espaço público é mesmo essa, e o próprio trabalho explora essa mesma condição efémera”, indicou.

Vhils já levou a sua técnica de escultura em baixo-relevo, com remoção das camadas superficiais das paredes, a vários países, incluindo Tailândia, Malásia, Hong Kong, Itália, Estados Unidos, Ucrânia, Brasil.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)