O Santander Totta teve lucros de 331,9 milhões de euros entre janeiro e setembro, mais 13% do que face ao mesmo período do ano passado, divulgou o banco.

A instituição detida pelo espanhol Santander especificou que, nos primeiros nove meses do ano, o produto bancário caiu 4,6% face a período homólogo para 858 milhões de euros, justificado com a queda de 5,7% da margem financeira para 518,7 milhões de euros e dos resultados das operações financeira em 8,3% para 97,8 milhões de euros. Já as comissões bancárias cresceram 4,7% para 248,9 milhões, o que segundo o Santander Totta reflete “a maior vinculação e transacionalidade dos clientes”.

Quanto aos custos operacionais, até setembro, caíram 7,3% para 391,8 milhões de euros em relação ao período homólogo de 2016, com os custos com pessoal a caírem 3,6% para 235,2 milhões de euros.

Os resultados agora apresentados ainda não incluem a operação do Popular em Portugal. O banco espanhol foi assumido pelo grupo Santander, depois da aplicação de uma medida de resolução. A compra do Popular em Portugal pelo Santander Totta ainda aguarda a luz verde do Banco Central Europeu e instituição vai avaliar o impacto da integração dos dois negócios e, as eventuais consequências em termos de emprego. Em função do resultado dessa avaliação, o presidente executivo, Viera Monteiro, adianta que deverá seguir as medidas até agora adotadas, e que passam por negociação de rescisões.

O Santander Totta já integrou a operação do Banif em 2016, na sequência da resolução aplicada a este banco.

Novos créditos à habitação sobem 64%

Os recursos de clientes registaram um crescimento homólogo de 1%, para 32.402 milhões de euros. Já a carteira de crédito ascendeu a 35.312 milhões de euros, o que equivalente a um acréscimo de 4,6%, e reflete, segundo banco, “o elevado dinamismo da atividade comercial, caracterizado pela melhoria continuada das quotas de mercado do banco”.

Ao longo dos últimos meses, a quota de mercado de produção de crédito hipotecário tem permanecido claramente acima de 20% (18,6% em 2016) sendo que a quota de produção de crédito a empresas se mantém em redor de 17%. Nos primeiros nove meses do ano, a contratação de novos créditos à habitação disparou 64%, em relação aos primeiros nove meses do ano. E a produção de crédito pessoal progrediu 8,3%.

O Santander Totta destaca ainda o reforço do número de clientes vinculados no segmento particular, mais 6,8%, e os clientes digitais que aumentaram 9,7%, traduzindo a “progressiva transformação do modelo comercial”. articulares) cresceu 6,8% e o número de clientes digitais subiu 9,7%.

O nível de NPL (crédito malparado) situou-se em setembro nos 6,5%.