O treinador do Vitória de Guimarães, Pedro Martins, considerou este sábado que a sua equipa, por ter descansado menos, parte em desvantagem para o jogo com o Benfica, da 11.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Após terem derrotado o Marselha (1-0) na Liga Europa, na quinta-feira, os minhotos voltam ao relvado no domingo para defrontarem as ‘águias’, que descansaram mais 48 horas depois do jogo de terça-feira com o Manchester United (derrota por 2-0), e o treinador vitoriano reconheceu que, apesar da sua equipa estar “mentalmente bem”, o Benfica tem a vantagem física do seu lado.

“Se eu estivesse nas condições do Benfica, diria o mesmo, que estaria em vantagem. No entanto, fruto do que temos vindo a fazer, e, jogando no D. Afonso Henriques, com o nosso público a apoiar-nos e a ser determinante nos momentos mais difíceis, a equipa vai dar uma boa resposta”, disse, na conferência de antevisão à partida.

Apesar de reconhecer que, em virtude dos jogos das seleções, era impossível outra data, o treinador sublinhou ainda que “não há nenhum jogador de futebol que em 72 horas consiga recuperar na sua plenitude”, pelo que vai “avaliar melhor a condição de alguns atletas”, apesar de já ter um ‘onze’ “muito bem definido” na cabeça.

Sem revelar a equipa que espera apresentar, Pedro Martins pediu que o grupo se exiba ao nível da segunda parte, a “roçar a perfeição” tática, ante o conjunto francês, a seu ver de valia próxima da do Benfica.

O técnico realçou ainda que, depois dos triunfos sobre o Marselha e o Aves (3-1), para I Liga, a “disponibilidade para o treino, quer física, quer mental” tem sido total.

“A equipa está bem, confiante, a aliar os bons resultados destes dois últimos jogos ao rendimento que já vinha dos jogos anteriores”, salientou, referindo que nota ainda uma “alegria no balneário completamente diferente”.

No domingo, o Vitória de Guimarães vai encontrar uma equipa que, para Pedro Martins, além de estar mais fresca, é também forte e capaz e mantém a mesma estrutura do ano passado, com “rotinas iguais”, apesar de ter perdido três jogadores importantes. O técnico espera ainda que o brasileiro Jonas, poupado em Manchester, surja no ataque ao lado do suíço Seferovic ou do mexicano Jiménez.

Os vimaranenses têm ainda um histórico recente desfavorável com as ‘águias’ – desde o triunfo na final da Taça de Portugal, em maio de 2013 (2-1), averbaram um empate e dez derrotas, a última já nesta época, para a Supertaça (3-1) -, com Pedro Martins a dizer que as probabilidades de triunfar “aumentam a cada ano que não se consiga vencer”.

O técnico vitoriano salientou ainda que o rendimento defensivo nos dois últimos jogos – um golo sofrido – se deve ao crescimento da equipa e à consolidação de novas rotinas após as lesões do guarda-redes Douglas e do central Pedro Henrique, referindo, porém, que muitos dos 18 golos sofridos até agora na I Liga surgiram de erros individuais.

Tanto o guarda-redes, como o central e ainda o lateral-esquerdo Vigário são baixas confirmadas para o duelo com o Benfica, no Estádio D. Afonso Henriques, que aguarda uma ‘casa’ a rondar os 25 mil espetadores.

O Vitória de Guimarães, oitavo classificado, com 14 pontos, recebe o Benfica, terceiro, com 23, pelas 18:00 de sábado, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, num jogo que será arbitrado por Artur Soares Dias, da associação do Porto.