Rádio Observador

China

Coreia do Norte. China enfrenta “dilema” entre interesses económicos e ideológicos

Um professor chinês de Relações Internacionais acredita que a China enfrenta um dilema entre interesses económicos e ideológicos, no que toca à Coreia do Norte.

Pequim é o maior aliado diplomático e comercial de Kim Jong-un

KCNA/EPA

O professor chinês de Relações Internacionais Wang Li considera que a questão nuclear norte-coreana coloca a China perante um “dilema”, apontando as divergências entre os interesses económicos, ideológicos e de segurança de Pequim. “Da nossa perspetiva geopolítica, não seria inteligente abandonar um país vizinho, cuja economia e segurança dependem da China, e que se opõe aos Estados Unidos”, diz Wang à agência Lusa.

Formado em Ciência Política pela universidade inglesa de Aberdeen, Wang Li dá aulas na Universidade de Jilin, província chinesa situada junto à fronteira com a Coreia do Norte. Apesar do distanciamento dos últimos anos, Pequim continua a ser o principal aliado diplomático e maior parceiro comercial do regime de Kim Jong-un.

Nos anos 1950, os dois países lutaram juntos contra os EUA. No entanto, volvidas quase três décadas, o Partido Comunista Chinês desistiu de “aprofundar a luta de classes” e escolheu o desenvolvimento económico como “tarefa central”.

A China quer desenvolver-se, precisa do mundo exterior, de estar envolvida na globalização. Não se pode isolar por razões ideológicas. Por isso, a China é o maior parceiro comercial da Coreia do Sul e ao mesmo tempo um dos poucos grandes países que apoia a Coreia do Norte”, afirma Wang.

No caso norte-coreano, o “dilema” chinês parece refletir os contrastes internos do país. A China é hoje a segunda maior economia mundial e principal potência comercial do planeta, mas o “papel dirigente” do Partido Comunista continua a ser um “princípio cardinal” e, em teoria, o país é governado sob a égide da doutrina marxista-leninista, tornando Pyongyang no seu único aliado ideológico no nordeste asiático.

E apesar de, em muitos aspetos, as economias chinesa e norte-americana serem complementares, historicamente Washington sempre foi antagónico a regimes comunistas, lembra Wang Li. “Por isso, China e Coreia do Norte são próximas: partilham questões de segurança”, afirma.

Sob a direção de Kim Jong-un, Pyongyang efetuou três testes nucleares. O último, realizado em setembro passado, foi o mais poderoso até à data, e levou o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a ameaçar, perante a Assembleia Geral da ONU, “destruir totalmente” o país.

Wang Li, lembra, porém, que “a Coreia do Norte não é a Líbia nem o Iraque”. “Apesar de estes países serem bem mais ricos, os regimes comunistas são muito determinados e sabem mobilizar a população”, afirma o professor, que cresceu durante o reinado de Mao, o fundador da República Popular.

Na Universidade de Jilin, estudam 26 estudantes norte-coreanos, cujos hábitos parecem ilustrar o caráter hermético do seu país de origem. “Os estudantes norte-coreanos têm a sua própria comunidade, o seu próprio líder da organização estudantil. Não se envolvem nas atividades dos outros estudantes estrangeiros. São muito bem organizados e sujeitos a um controlo rigoroso”, descreve Wang Li.

“Vivem no edifício para estudantes estrangeiros, mas têm um piso só para eles. Não se misturam e não falam com outras pessoas sem autorização”, acrescenta. O académico chinês diz que “o povo e o Governo norte-coreano consideram o mundo exterior uma ameaça”, um sentimento de insegurança que os leva a insistir no desenvolvimento de armamento nuclear e mísseis balísticos.

“Se os EUA e a Coreia do Sul, e mesmo o Japão, dialogarem com a Coreia do Norte e garantirem a sua segurança, caso abandone o programa nuclear, acho que é possível chegar a um acordo”, defende Wang. “A questão é que, neste momento, os norte-coreanos não confiam em ninguém, incluindo a China”, conclui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)