Dois militares malianos morreram esta segunda-feira num ataque na região de Mopti, no centro do Mali, enquanto escoltavam um comboio da Minusma, a missão das Nações Unidas no Mali, confirmaram fontes policiais à agência noticiosa Efe.

As vítimas mortais foram surpreendidas por fogo inimigo na estrada entre Door e Konna, na região de Mopti.

Além de terem morto os dois militares, os atacantes queimaram o conteúdo de dois camiões que transportavam bens alimentares.

Esta segunda-feira houve um outro atentado, em Ansongo, na região oriental do Mali, quando um camião que transportava feirantes de um mercado local acionou uma mina, alegadamente colocada com intenção de causar baixas entre polícias e militares.

Destacada desde 2013, a Minusma é a missão de manutenção de paz da ONU que já registou mais baixas desde a Somália (1993-1995), com mais de 80 “capacetes azuis” mortos.

Entre março e abril de 2012, o norte do Mali caiu nas mãos de grupos extremistas com ligações à rede terrorista Al-Qaida.

A progressão no terreno destes grupos extremistas tem sido travada por uma operação militar internacional que foi lançada em janeiro de 2013, por iniciativa de França, e que ainda permanece no terreno.

No entanto, existem áreas inteiras do país que ainda estão fora do alcance das forças do Mali, das tropas francesas e da Minusma (um contingente que ronda os 12 mil operacionais), que são regularmente alvo de ataques.

Portugal foi um dos países que destacou forças para integrar esta missão internacional militar no Mali, contando atualmente com dois elementos ao serviço das Nações Unidas.

A par desta missão, Portugal tem 10 militares no Mali ao serviço de uma força destacada pela União Europeia.