Numa altura em que o maior construtor automóvel mundial procura fazer a transição para o paradigma 100% eléctrico, notícias publicadas em Inglaterra garantem que a Volkswagen está a pensar fazer essa mudança, através do lançamento, já a partir de 2020, de uma série de pequenos desportivos, com algum nível de electrificação. A ofensiva até já tem ponta-de-lança escolhido: um novo Skoda Fabia vRS, versão que a marca checa voltará assim a comercializar.

Assumido o objectivo de alcançar, já em 2025, vendas na ordem de 1 milhão de carros eléctricos, graças a uma oferta que deverá rondar os 30 modelos, nessa altura, a Volkswagen vê nesta nova estratégia a forma de levar os consumidores a, progressivamente, adoptarem a mobilidade eléctrica como a solução de todos os dias.

Temos consciência de que não se trata apenas de accionar um interruptor e, a partir daí, todas as pessoas passarão a comprar carros eléctricos. Na verdade, trata-se de um processo que deverá demorar décadas, e nós temos de ajudar os consumidores a fazerem essa transição, passo a passo, mostrando-lhes todas as possibilidades que existem”, afirma uma fonte do fabricante, ouvida pela britânica Autocar.

Segundo a mesma publicação, as expectativas dos responsáveis do Grupo Volkswagen são de que todas as marcas pertencentes ao conglomerado utilizem os modelos que já comercializam para promover esta tecnologia, ao invés, por exemplo, de criarem submarcas para o veículo eléctrico. Com marcas como a Skoda ou a Seat a poderem ser das primeiras a dar o passo, graças à aposta numa certa promoção das variantes desportivas – no caso do fabricante espanhol, os Cupra, ou passo que na marca checa, os vRS.

Skoda admite possibilidade

O Fabia vRS era um carro muito divertido de conduzir e eu gostaria bastante de poder vir a dispor de algo idêntico. Embora isso seja – tenho essa consciência – dificilmente será realizável nos próximos dois a três anos”, assume o CEO da Skoda, Bernhard Maier.

Maier também reconhece que, para a próxima geração Fabia, “as coisas poderão vir a acontecer de maneira um pouco diferente”, admitindo que a electrificação “faria, realmente, sentido”.

Já quanto a detalhes sobre o tipo de motorização a utilizar, é algo que, segundo a Autocar, ainda não existe, até porque a marca checa continua a vender bem o Octavia vRS, ao mesmo tempo que está já a preparar uma variante idêntica do SUV Karoq, cujo posicionamento será idêntico ao do Volkswagen T-Roc R.

Ainda assim, dificilmente um pequeno desportivo não seria bem-vindo, até por ser, à partida, um excelente divulgador da imagem que a marca pretende transmitir com as suas variantes vRS. As quais ganhariam, certamente, uma imagem ainda mais forte de tecnologia e vanguardismo, com a aplicação da electrificação nos seus motores.