Rádio Observador

Autoridade Tributária

Caso das viagens. Autoridade Tributária arquiva inquérito, mas envia relatório para o Ministério Público

A Autoridade Tributária arquivou o inquérito interno que realizou às viagens de funcionários à China e aos EUA a convite das empresas tecnológicas Huawei e Oracle. Mas enviou relatório para o DIAP.

MARIO CRUZ/LUSA

A Autoridade Tributária (AT) decidiu arquivar o inquérito realizado aos altos quadros do Estado que viajaram a convite da Huawei e da Oracle para destinos como a China ou os Estados Unidos. No final de agosto, a AT decidiu abrir um inquérito para apurar as circunstâncias em que as viagens ocorreram, mas fonte do ministério das Finanças confirmou esta quarta-feira ao Observador que “o processo de inquérito foi arquivado na sequência de não se ter provado matéria suscetível de infração disciplinar”. A mesma fonte acrescentou que “todo o relatório do inquérito foi reencaminhado para o Departamento de Investigação e Acão Penal (DIAP), onde corre o processo relacional com o tema”.

O Ministério das Finanças não esclareceu quantas pessoas foram investigadas. Publicamente, na área do fisco, apenas era conhecido um nome: Carlos Santos, funcionário da própria Autoridade Tributária, que é um dos alvos da investigação do Ministério Público. Para já, o chefe de equipa multidisciplinar de 2.º nível do Núcleo de Sistemas Distribuídos livra-se de processo disciplinar, já que o inquérito interno foi arquivado. Carlos Santos tinha viajado, pelo menos, de 9 a 14 de fevereiro de 2015 à China à sede da Huawei e a São Francisco ao Oracle Open World entre 28 de setembro e 2 de outubro de 2014.

O caso das viagens de políticos e altos cargos do Estado começou com uma investigação do Observador a viagens feitas à China à sede da Huawei. Alguns dos nomes envolvidos admitiram em on ao Observador que foi a Huawei a pagar os voos e a estadia. A empresa revelou mais tarde — em comunicados — que “nunca pagou viagens”, numa alusão aos voos. Isto sem esclarecer se pagou a estadia no local, nem em que moldes o fez.

Depois disso, outros nomes foram públicos e houve mesmo uma exoneração do Governo na sequência de uma dessas viagens.

Depois disso, na sequência das notícias do Observador, o Ministério Público abriu um inquérito, que decorre no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa (DIAP).

O semanário Expresso noticiava depois, a 26 de agosto, que além de políticos, também altos funcionários do Estado tinham ido à China à sede da Huawei. Na sequência dessa informação, a Autoridade Tributária e o Ministério da Saúde decidiram abrir inquéritos para apurar as circunstâncias das viagens. O Observador noticiou depois que, além da Huawei, também vários altos funcionários do Estado (alguns os mesmos) também tinham viajado a convite da Oracle. E que, além de uma ‘Huaweigate’, havia um “Oraclegate”. Todos estes casos, garantiu, a Procuradoria-Geral da República, estão a ser investigados pelo DIAP.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)