O navio hidrográfico D. Carlos I, da Marinha Portuguesa, participa até dezembro em várias atividades em águas cabo-verdianas, no âmbito da segunda fase da missão de cooperação “Mar Aberto”, que termina com um seminário sobre segurança marítima.

Segundo informação divulgada pela embaixada de Portugal, na cidade da Praia, o navio irá realizar trabalhos de hidrografia, com a sondagem de vários portos para produção de cartas de navegação, e ações de vigilância e fiscalização, no âmbito dos acordos de cooperação com Cabo Verde.

O navio chegou a 6 de novembro ao porto da Praia, de onde largou no dia seguinte com destino às ilhas da Boavista e do Sal, onde se encontra em trabalhos hidrográficos.

Está prevista a sua chegada ao porto do Mindelo no dia 14 de novembro onde ficará atracado até dia 17, regressando ao porto da Praia a 28 de novembro.

Durante a estadia no Mindelo, será feita a apresentação do programa da missão hidrográfica e o lançamento das duas novas cartas náuticas de Cabo Verde.

“Neste momento, o navio está a fazer o trânsito até ao Mindelo, durante o qual vai fazer trabalhos de hidrografia e também tarefas de cooperação com a guarda costeira de Cabo Verde e com as entidades que conduzem as inspeções de fiscalização de pesca e de atividades ilícitas”, disse à agência Lusa o comandante de Mar e Guerra José Picoito, da cooperação técnico-militar portuguesa em Cabo Verde.

O responsável explicou que, no regresso do Mindelo à Praia, o navio irá “privilegiar a parte da hidrografia”.

Coincidindo com a segunda fase da permanência do navio na cidade da Praia, decorrerá, a 29 e 30 de novembro, um seminário sobre segurança marítima com a participação de responsáveis militares e políticos da área da defesa de Portugal e Cabo Verde.

A primeira fase da missão “Mar Aberto” em Cabo Verde aconteceu em abril com a presença da Fragata Vasco da Gama nos portos da Praia e do Mindelo.

A visita da Fragata Vasco da Gama coincidiu com a visita de Estado do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a Cabo Verde.