Seis meses após a entrada em funcionamento da videovigilância no município da Amadora, a presidente da autarquia considera positiva a experiência e admite avaliar, no próximo ano, a colocação de câmaras em outras zonas da cidade.

“Está a correr bem. A autorização que temos é para dois anos. Daqui a um ano, sensivelmente, estaremos a preparar o pedido de renovação da autorização para o funcionamento da ‘vídeo proteção’ e, nessa altura, avaliaremos com a PSP se fará sentido pedirmos a extensão das câmaras para outras zonas da cidade”, afirmou à Lusa Carla Tavares (PS).

“Entendemos que não é a videovigilância que vai resolver os problemas da segurança ou da falta dela, mas temos de a ver como um instrumento de trabalho ao serviço da PSP, foi sempre assim que a encarámos”, frisou a autarca. Carla Tavares adiantou, por isso, que, “se os dados manifestarem de alguma forma a necessidade de aumentar o número de câmaras”, a autarquia avaliará esse novo investimento.

O município da Amadora tem, desde 11 de maio, 103 câmaras de videovigilância em funcionamento nos espaços públicos. A instalação das 103 câmaras representou um investimento municipal de um milhão de euros, acrescido de cerca de 900 mil euros na rede de fibra ótica.

Quando as câmaras entraram em funcionamento, o diretor nacional da PSP, Luís Farinha, salientou que “a proteção da privacidade das pessoas está assegurada”, através do controlo do acesso às imagens, com intervenção do Ministério Público, e da encriptação de zonas habitacionais.

Moradores pedem mais câmaras

No Jardim Luís de Camões, na Brandoa, uma câmara vigia a envolvente do fórum cultural e das paragens de autocarros à entrada daquele que foi o maior bairro clandestino da Europa.

“Era só lama, nem água havia”, recordou Maria Modesta, 81 anos, que mora há 46 no bairro, enquanto aproveita num banco do jardim o sol já fraco de novembro. O marido, Arnaldo Porteiro, 78 anos, considerou à Lusa que a videovigilância trouxe “vantagem, mas era preciso que as pessoas tivessem mais respeito“.

“Penso que temos pouca videovigilância, só o ministério do Ambiente e a PSP é que têm. Isto é um bairro social com muitos problemas. Seria excelente que pudesse ter mais câmaras, junto das instituições“, referiu a fundadora da Associação de Moradores do Bairro do Zambujal. Para Maria Felicidade Nunes, 76 anos, a videovigilância “é excelente e faz todo o sentido para a segurança das pessoas e bens”. A associação, que presta assistência a idosos e fornece refeições a 25 famílias, já foi assaltada duas vezes.

Por seu lado, o presidente da Associação Comercial e Empresarial dos Concelhos de Oeiras e Amadora, João Antunes, disse que a videovigilância é benéfica para o comércio “porque basta as pessoas se sentirem mais seguras para irem às compras com mais facilidade. Quanto mais segurança, mais as pessoas andam na rua e o comércio vive das pessoas na rua“.