Exposições

90 obras de Almada Negreiros, algumas inéditas, em exposição no Porto

5.223

"José de Almada Negreiros: Desenho em Movimento" inicia um projeto de itinerância de obras de arte do Museu Calouste Gulbenkian para fora do espaço da Fundação. Inaugura este mês e tem obras inéditas.

A exposição em Lisboa foi muito concorrida: levou mais de 135 mil pessoas à Gulbenkian.

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Sara Otto Coelho

Depois do êxito da exposição “José de Almada Negreiros. Uma maneira de ser moderno”, apresentada no início do ano na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, e visitada por mais de 135 mil pessoas, cerca de 90 obras vão agora até ao Museu Soares dos Reis, no Porto. “José de Almada Negreiros: Desenho em Movimento” inaugura a 30 de novembro e tem como grande destaque um conjunto de seis vidros originais que Almada pintou à mão para “Lanterna Mágica”, descobertos há poucos meses.

Foi a exposição em Lisboa que fez aparecer os vidros“, conta ao Observador Mariana Pinto dos Santos, que se mantém como curadora. A família portuguesa que tem os vidros na sua coleção privada fruto de herança — e que prefere não ser identificada –, desconhecia a autoria. “Ao ver a publicidade à exposição de Lisboa, que tinha a imagem reproduzida do desenho original, percebeu que o que tinha em casa há muitas décadas era do Almada.”

Esta é a grande novidade de “José de Almada Negreiros: Desenho em Movimento”, e o principal motivo que levou a curadora a focar a mostra na relação de Almada Negreiros (1893 – 1970) com o cinema, nomeadamente com o cinema animado. Como se pode ler na revista de novembro da Gulbenkian, propõe-se “um olhar sobre o carácter gráfico e cinematográfico da linguagem artística da modernidade expresso na obra de Almada Negreiros e que persiste quer na pintura e desenho, quer na pintura mural, nos frisos em gesso, nos vitrais e nas tapeçarias que o artista fez em vários trabalhos por encomenda”.

Para além dos vidros, o Museu Soares dos Reis, que co-produz a mostra com a Fundação Calouste Gulbenkian, vai mostrar a projeção que estava em Lisboa, quando os vidros originais eram desconhecidos, para que o público possa fazer comparações.

José de Almada Negreiros, “La Luna Rota”, um dos vidros criados para acompanhar o espetáculo “La tragedia de Doña Ajada”, estreado em Madrid, em 1929.

A exposição, que vai ficar no Porto até 18 de março, é bastante menor do que a apresentada na capital. “A de Lisboa tinha mais de 400 obras. Esta traz uma seleção diferente”, explica Mariana Pinto dos Santos. Cerca de metade puderam ser vistas na Gulbenkian, mas o Soares dos Reis terá novidades apetecíveis.

Há um desenho inédito, que nunca foi mostrado, que é um retrato de Maria Madalena Amado, uma das meninas que dançou nos bailados que Almada fez em 1917 e 1918 e que foi viver para o Porto.” Amado levou para a Invicta obras que só recentemente têm sido mostradas. Para “José de Almada Negreiros: Desenho em Movimento”, vai desvendar mais uma.

Entre as obras que viajam 300 quilómetros para norte encontra-se outra lanterna mágica, esta com 64 desenhos que compõem um cinema desenhado a que o artista chamou “Naufrágio da Insula”. Conta a história trágico-cómica do naufrágio de várias pessoas ao largo da ínsua de Moledo, em Viana do Castelo, em 1934, depois de terem sido apanhadas por uma tempestade. “Foi mostrado pela primeira vez em Lisboa e é talvez a obra que melhor mostra essa relação de Almada com o cinema”, sublinha Mariana.

A iniciativa de apresentar Almada no Museu Soares dos Reis marca o início de um projeto de itinerância das obras de arte do Museu Calouste Gulbenkian para fora do espaço da Fundação, em Lisboa, promete a Fundação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)