Madeira

A arte que o açúcar da Madeira comprou veio mostrar-se em Lisboa

619

A arte adquirida com o dinheiro do açúcar produzido na Madeira, entre os séculos XV e XVI, desde pintura, escultura e ourivesaria, vai estar em exposição no Museu Nacional de Arte Antiga.

Exposição "As ilhas de Ouro Branco", que assinala os 600 anos da descoberta da Madeira.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A arte adquirida com o dinheiro do açúcar produzido na Madeira, entre os séculos XV e XVI, desde pintura, escultura e ourivesaria, vai estar em exposição no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, a partir de quarta-feira.

Uma seleção de 86 obras, que o chamado “ouro branco” comprou naquele período de grande prosperidade económica, foi esta terça-feira apresentada aos jornalistas durante a visita guiada à exposição que abre as celebrações dos 600 anos da descoberta da Madeira.

“As ilhas do ouro branco – Encomenda Artística na Madeira (séculos XV-XVI)” será inaugurada na quarta-feira, no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), e abre ao público no dia seguinte. “Esta é uma história que merece ser contada, e que se enquadra totalmente na missão do Museu de Arte Antiga: de estudar, afirmar e divulgar o património nacional”, sublinhou o diretor do MNAA, António Filipe Pimentel, antes da visita.

A mostra abre com um vídeo que ocupa uma parede da sala de entrada, onde são exibidas imagens da natureza, “que estão na base do encantamento que a ilha da Madeira provocou”, salientou um dos comissários, Francisco Clode de Sousa. “Era uma terra virgem, um paraíso, onde não havia população autóctone e foi uma tarefa ciclópica desbravá-la”, apontou, recordando o início do povoamento da Madeira, no século XV.

Fernando António Baptista Pereira, outro dos comissários, recordou que foram os cereais o primeiro ciclo económico do arquipélago, só depois substituídos pelo açúcar. Foi este “ouro branco” escoado para os mercados europeus, numa altura em que o açúcar ainda era raro e caro, que proporcionou um enorme desenvolvimento local na Madeira.

Os mercadores que levavam o açúcar para Bruges e Antuérpia, entre outras cidades da Flandres, regressavam regularmente à Madeira com muitas obras de arte, sobretudo de caráter religioso, entre pintura, escultura, artes decorativas e ourivesaria.

Na exposição, o público poderá ver, segundo os comissários, “a mais importante e emblemática escultura da Madeira, com extraordinária qualidade do entalhe escultórico”, uma Virgem e o Menino do século XVI, proveniente da Flandres.

Outras obras em destaque, da Flandres, são o Retábulo dos Reis Magos, de uma oficina de Antuérpia, de 1530, um óleo sobre madeira dourada e policromada, e o tríptico de Jan Provost, da escola flamenga, de 1529, com Nossa Senhora da Misericórdia ao centro, ladeada pelos santos Cristóvão, Paulo, Pedro e Sebastião.

Proveniente da Ásia, a cana-de-açúcar terá começado a ser importada da Sicília pelo Infante D. Henrique, que introduziu o seu cultivo na Madeira, um projeto de rápida expansão. O consumo do “ouro branco” aumentou, assim, por toda a Europa, alterando hábitos alimentares e algumas práticas medicinais.

Esta exposição vai marcar o arranque das Comemorações dos 600 Anos do Descobrimento da Madeira, e ilustra a especificidade da encomenda artística madeirense a oficinas nacionais, espanholas e flamengas.

A visita contou com a presença da secretária regional do Turismo e Cultura da Madeira, Paula Cabaço, que sublinhou o início das celebrações em Lisboa, “de onde partiram os Descobrimentos”, e vão prolongar-se até 2018 e 2019. A exposição ficará patente ao público no MNAA até 18 de março de 2018.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)