Rádio Observador

Hotelaria

Hotelaria cresceu em setembro impulsionada por não residentes

A hotelaria registou 2,2 milhões de hóspedes e 6,3 milhões de dormidas em setembro, correspondendo a crescimentos homólogos de 7,9% e 5,1%, contra 5,0% e 3,7% em agosto, respetivamente, segundo o INE.

GUILLAUME HORCAJUELO/EPA

A hotelaria registou 2,2 milhões de hóspedes e 6,3 milhões de dormidas em setembro, correspondendo a crescimentos homólogos de 7,9% e 5,1%, contra 5,0% e 3,7% em agosto, respetivamente, segundo o INE. De acordo com os dados sobre a atividade turística, produzidos pelo Instituto Nacional de Estatística, o grupo dos não residentes impulsionou a atividade na hotelaria em setembro.

Assim, as dormidas do mercado interno cresceram 1,4% (1,7% em agosto) para 1,6 milhões de dormidas, enquanto as dos mercados externos registaram um aumento de 6,5% (4,8% no mês anterior) para 4,6 milhões de dormidas. No acumulado dos primeiros nove meses do ano, o mercado interno registou 12,8 milhões de dormidas (uma subida de 3,4%), enquanto os mercados externos geraram 33,4 milhões de dormidas (mais 8,7%).

A estada média (2,82 noites) reduziu-se 2,6% e a taxa de ocupação-cama (63,5%) aumentou 0,9 pontos percentuais. Os proveitos totais aceleraram para um crescimento de 16% (12,4% em agosto) e atingiram 406,7 milhões de euros.

Os proveitos de aposento atingiram, por sua vez, os 303,1 milhões de euros e também evidenciaram aceleração, com uma subida de 18,6% em setembro (13,1% no mês anterior). Entre os principais mercados emissores, as dormidas de hóspedes britânicos (24,5% do total das dormidas de não residentes) pouco oscilaram em setembro (caíram 0,2%), mas no conjunto dos primeiros nove meses do ano este mercado cresceu 2,8%, sinaliza o INE.

O mercado alemão retomou a posição de segundo mais relevante (com uma quota de 13,8%), aumentando 4,2% em setembro e 7,7% entre janeiro e setembro.

O mercado francês (com uma quota de 9,6%) manteve a tendência decrescente dos últimos meses (-1,9% em setembro) e recuou 0,1% desde o início do ano.

O mercado espanhol (com uma quota de 8,2%), depois de dois meses em diminuição, voltou a crescer e registou aumentos de 4,5% em setembro e 1,4% nos primeiros nove meses do ano, mas ainda assim não suficientes para se manter como segundo maior mercado, indica o instituto.

Entre os principais países, o INE destaca os crescimentos apresentados em setembro pelos mercados norte-americano (29,9%), italiano (23,4%) e polaco (23,3%), sinalizando ainda que nos primeiros nove meses do ano, sobressaíram as evoluções nos mercados brasileiro (45%), norte-americano (31,4%) e polaco (25,7%).

Em termos regionais, observaram-se aumentos das dormidas em todas as regiões, com destaque para o Centro (16,2%), Açores (12,7%) e Alentejo (11,6%).

As dormidas concentraram-se essencialmente no Algarve (com peso de 36,5%) e Área Metropolitana de Lisboa (22,1%).

Neste mês, destaca, houve um incremento total de 304,4 mil dormidas (face a igual mês do ano anterior), do qual 30,7% foi proveniente do Centro (93,5 mil dormidas adicionais), 17,9% da Área Metropolitana de Lisboa (acréscimo de 54,5 mil dormidas) e 16,1% do Algarve (49 mil dormidas acrescidas).

No período de janeiro a setembro todas as regiões apresentaram crescimentos, salientando-se as evoluções registadas nos Açores (17,1%) e Centro (13,5%).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)