Guiné-Bissau

Partidos opositores ao presidente da Guiné-Bissau propõem soluções para crise política

Um coletivo de 15 partidos que contestam o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, divulgou uma carta aberta na qual apresentam ao chefe de Estado soluções para acabar com a crise política.

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz.

Pedro Nunes/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um coletivo de 15 partidos que contestam o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, divulgou esta terça-feira uma carta aberta na qual apresentam ao chefe de Estado soluções para acabar com a crise política que afeta o país.

A carta aberta, apresentada em conferência de imprensa, exige a José Mário Vaz que demita o Governo de Umaro Sissoco Embaló por ser “ilegítimo, inconstitucional e ilegal”.

Para os subscritores do documento de nove páginas, o Governo de Sissoco Embaló, por não ter mandato e legitimidade, não pode continuar a governar o país e “muito menos” organizar as próximas eleições legislativas previstas para 2018.

O grupo, que se assume como coletivo de partidos políticos democráticos, quer que José Mário Vaz nomeie o dirigente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Augusto Olivais, primeiro-ministro, que prevê o Acordo de Conacri.

Com a aplicação daquele instrumento patrocinado pela comunidade oeste africana, o coletivo acredita que a crise política terminará na Guiné-Bissau e a normalidade institucional irá regressar até à realização das eleições.

Ainda na conferência de imprensa, em que estiveram presentes também militantes dos 15 partidos, o coletivo confirmou a realização, na quinta e na sexta-feira, de marchas, em Bissau, para, sublinharam, resgatar a democracia na Guiné-Bissau.

Nuno Nabian, candidato derrotado na segunda volta das últimas eleições presidenciais e atual líder da Assembleia do Povo Unido, Partido Social Democrata (APU-PDGB), avisou que nenhum militante ou dirigente do coletivo será molestado “por quem quer que seja” durante as manifestações, que disse serem pacíficas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)