Pelo menos 10 feridos deram entrada no hospital Simão Mendes, em Bissau, depois de o protesto do coletivo dos partidos políticos da Guiné-Bissau ter sido dispersado pela polícia com gás lacrimogéneo.

“Até ao momento, registamos a entrada de 10 pessoas no serviço de cirurgia e de ortopedia”, disse aos jornalistas o médico cirurgião Arlindo Quadé.

Segundo o médico, os feridos não estão em estado crítico, mas tinham “feridas que precisavam de ser suturadas”.

“Temos um jovem que entrou com uma contusão cervical, mas que já está a responder a estímulos”, acrescentou.

A manifestação do coletivo de partidos políticos da Guiné-Bissau terminou hoje com a polícia a lançar gás lacrimogéneo e os manifestantes a atirar pedras, depois de ter começado com toda a serenidade.

Um coletivo de 15 partidos promoveu esta quinta-feira uma manifestação pela democracia e contra o Presidente guineense, José Mário Vaz, que foi reprimida pela polícia.