459kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Direção do Património justifica veto a evento de Rui Moreira. Autarca avança para a PGR

Este artigo tem mais de 4 anos

Rui Moreira queria apresentar livro no Soares dos Reis, mas foi impedido pela Direção do Património. Autarca falou em censura e ameaçou com tribunais. DGPC contraria o autarca e mantém a argumentação.

A Direção-Geral do Património Cultural, a mesma que autorizou um jantar no Panteão Nacional, impediu Moreira de apresentar livro
i

A Direção-Geral do Património Cultural, a mesma que autorizou um jantar no Panteão Nacional, impediu Moreira de apresentar livro

JOSÉ COELHO/LUSA

A Direção-Geral do Património Cultural, a mesma que autorizou um jantar no Panteão Nacional, impediu Moreira de apresentar livro

JOSÉ COELHO/LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) não cede um centímetro no braço de ferro com Rui Moreira. O organismo público, sob a tutela do Ministério da Cultura, impediu o autarca de apresentar o seu livro no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, sob o argumento de que se tratava de uma iniciativa de carácter político. Moreira queixou-se de censura, disse-se alvo de um “veto político” e reclamou uma resposta formal daquele organismo, que tardava em chegar. Dois meses depois do incidente, a DGPC, em resposta a questões do Observador, manteve a argumentação, indiferente às criticas do presidente da Câmara do Porto. Agora, Rui Moreira vai entregar uma exposição à Procuradoria-Geral da República (PGR).

O diferendo remonta a 23 de agosto e foi noticiado pelo Observador. Além de falar em “censura” e “veto político”, Rui Moreira exigia uma justificação formal da DGPC, a mesma que autorizou a organização da Web Summit a realizar um jantar no Panteão Nacional, e que, apesar da insistência dos representantes de Rui Moreira, nunca tinha prestado qualquer esclarecimento oficial.

Rui Moreira acusa Direção Geral do Património de censura e admite agir judicialmente

Em resposta ao Observador, fonte oficial da DGPC esclareceu “que a cedência do Auditório do Museu Nacional Soares dos Reis foi rejeitada por, após ponderada análise jurídica, se ter concluído tratar-se de uma atividade política, e como tal não coadunável com o espírito da lei em vigor que rege a cedência de espaços”. E o que diz esse regulamento? Que a DGPC se reserva no direito de rejeitar todas as iniciativas nos espaços que estão sob a sua tutela sempre que forem eventos de “carácter político ou sindical”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ou seja, a DGPC mantém assim um argumento já contestado por Rui Moreira. Os representantes do autarca sempre disseram que o pedido para apresentar o livro Sem Medo do Futuro foi feito na qualidade de cidadão e não na qualidade de político. Mais: mesmo que fosse na qualidade de político, algo que Moreira sempre contestou, uma decisão daquela natureza violaria os pressupostos previstos na Lei Eleitoral para os Órgãos das Autarquias Locais e o direito de reunião previsto no Decreto-Lei n.º 406/74.

Rui Moreira acabaria por apresentar o livro no Teatro do Bolhão, mas queixou-se de ter sido alvo de um “veto político”

No memorando que fizeram chegar a Rui Moreira e a Miguel Pereira Leite, presidente da Assembleia Municipal que tem conduzido todo o processo, a Direção do Património contesta ainda o argumento jurídico utilizado pelos representantes do autarca. O decreto-lei que regula o direito à reunião prevê, entre outros aspetos, que as “pessoas ou entidades que pretendam realizar reuniões, comícios, manifestações ou desfiles em lugares públicos ou abertos ao público avisam por escrito e com a antecedência mínima de dois dias úteis o presidente da câmara municipal territorialmente competente”, recordam.

Ora, não só o auditório requisitado por Rui Moreira é um “espaço interno“, como a DGPC faz questão de sublinhar na resposta enviada a Rui Moreira, como o aviso com antecedência “não confere a quem avisa, sem mais, o direito de realizar atividades públicas ou privadas, seja qual for a sua natureza, e no interior dos imóveis que estão afetos a serviços, sem que a entidade que o gere tenha algo a dizer“.

Rui Moreira, no entanto, não está satisfeito com a argumentação utilizada pelo organismo dirigido por Paula Silva. Segundo fonte próxima do autarca, o presidente da Câmara Municipal do Porto vai enviar uma exposição para a PGR para questionar se uma entidade pública como a DGPC tem “legitimidade para discriminar cidadãos por serem candidatos“. Dependendo do que disser a PGR, Moreira ameaça mesmo avançar para os tribunais.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.