Francisco J. Marques, diretor de comunicação e informação do FC Porto, escreveu, em coautoria com Diogo Faria (também comentador do Porto Canal e um dos criadores da página “Baluarte Dragão”), “O Polvo Encarnado”. A capa do livro já começou a circular por alguns fóruns de apoio aos dragões e propõe-se a abordar “os esquemas, manipulações e compadrios que viciam o futebol português”.

A apresentação do livro editado pela Ideias de Ler realiza-se esta sexta-feira, no hotel AC Porto, ao lado do estádio do Dragão, antes do encontro do conjunto azul e branco frente ao Portimonense a contar para a quarta eliminatória Taça de Portugal. A cerimónia está marcada para o final da manhã (11h30).

Recorde-se que Francisco J. Marques tem sido o principal rosto do FC Porto na denúncia de um alegado esquema de tráfico de influência e corrupção por parte do Benfica, que se encontra nesta altura a ser investigado pelo Ministério Público e que já motivou buscas ao estádio da Luz e alguns dirigentes dos encarnados, entre outros visados de diferentes esferas do futebol português.

O mail para Francisco J. Marques e a conta encriptada: como chegou a informação ao FC Porto

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Há cerca de um mês, o responsável azul e branco explicou, depois de ter revelado uma série de emails internos trocados por dirigentes encarnados, como é que toda a correspondência chegou ao seu poder.

“O primeiro contacto foi feito através de email e trazia uma cartilha. Achei aquilo interessante e respondi perguntando como é que podia atestar sobre a veracidade daquilo. Pouco depois, recebi um novo email com print screens de contas de emails e dizia assim: ‘Acho que com isto fica provado’. Vi aquilo, fiquei convencido e começaram a chegar mais”, começou por salientar então Francisco J. Marques.

FC Porto já entregou todos os emails à Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ

“É verdade, e as autoridades sabem disso desde sempre, que esse primeiro contacto foi no meu email do FC Porto que utilizo no trabalho e que depois criei uma conta de email num cliente de mail desses todos encriptados e dessas coisas assim que essa malta dos anti-Googles e da privacidade gosta e foi através desse mail que chegou depois a parte de dragão dos emails. Isto foi assim e quando o FC Porto olhou para aquilo, constatou o interesse público da informação do que lá estava”, acrescentou o diretor de comunicação dos dragões.