O Governo comprometeu-se esta quinta-feira a encerrar as duas centrais produtoras de eletricidade a carvão, em Sines e no Pego, até 2030, anunciou o ministro do Ambiente, em Bona, na Alemanha. “Em 2030, não existirá produção de eletricidade em Portugal, a partir do carvão”, afirmou hoje João Matos Fernandes, à RTP.

O governante está em Bona, na Alemanha, onde decorre a conferência das Nações Unidas para as alterações climáticas, até sexta-feira.

“As centrais termoelétricas vão certamente ser encerradas em Portugal assim que tenhamos a capacidade de poder produzir energia a partir de fontes alternativas” sem sobressalto, disse o ministro do Ambiente. O Orçamento do Estado para 2018 definiu o fim da isenção do imposto petrolífero sobre o carvão usado para produzir eletricidade, que ficará concluída até 2022, para desincentivar o uso deste combustível.

Governo estende imposto petrolífero a combustíveis para produzir eletricidade

João Matos Fernandes referiu-se à importância do compromisso que Portugal vai hoje assumir juntamente com outros países que também “estão na linha da frente” nesta matéria, como Canadá, reino Unido, França Holanda ou Nova Zelândia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O anúncio de Matos Fernandes surge num momento em que as centrais a carvão estão ter uma utilização intensiva para abastecer o consumo de eletricidade e compensar a queda acentuada de produção hidroelétrica, em resultado da seca. A produção das centrais de Sines e Pego nos primeiros 10 meses do ano representou cerca de 28% do consumo no mercado português, uma percentagem que tenderá a subir com o recuo ainda mais acentuado na geração de eletricidade nas grandes barragens.

Esta não é a primeira vez que um Governo anuncia um prazo para descontinuar as centrais a carvão, mas os prazos têm deslizado sobretudo devido a argumentos de segurança do abastecimento energético, invocados normalmente pela REN (Redes Energéticas Nacionais), a entidade que avalia as necessidades de investimento em infraestruturas a longo prazo.

O secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, já admitiu ao Observador que em 2017 o maior recurso a centrais térmicas vai aumentar as emissões de dióxido de carbono. As centrais a carvão são as maiores emissoras individuais de CO2.

A central de Sines, explorada pela EDP, é a maior produtora de eletricidade de Portugal com uma capacidade instalada de 1.200 megawatts. A central do Pego é explorada pela Tejo Energia que é detida por investidores internacionais.