Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A administração da cidade de Nova Deli, capital da Índia, um dos países mais poluídos do mundo, preparou um plano para combater o ‘smog’ – nevoeiro contaminado com substâncias poluentes – que não pode ser posto em prática, precisamente, por causa do ‘smog’.

A ideia era fazer com que helicópteros voassem e borrifassem água pela cidade com o objetivo de fazer com que o nevoeiro assentasse. A administração abordou uma empresa estatal de helicópteros para o efeito, que lhes respondeu que teriam de esperar que o ‘smog’ se dissipasse sozinho pois, com os níveis atuais, a visibilidade é reduzida, o que faz com que não seja possível para os helicópteros levantar voo.

Além disso, há muitas partes de Nova Deli que estão interditas ao voo, nomeadamente a área onde estão localizados o parlamento e as residências do presidente e do primeiro ministro. Questionado pelo The Indian Express, um porta-voz do governo disse que existem “alguns problemas e estes serão resolvidos enquanto se cria o SOP [método de procedimento]”.

Ainda que o plano tivesse avançado, este seria um esforço em vão. O India Today questionou vários especialistas em poluição aérea sobre o plano da administração. A ideia levantou diversas questões, mas a opinião sobre a mesma foi unânime: não faria diferença nenhuma.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mukesh Khare, do Instituto Indiano de Tecnologia de Deli, diz que “em lado nenhum do mundo isso foi utilizado para fazer descer a poluição. Água salpicada do helicóptero vai secar rapidamente e irá voltar à estaca zero dentro de algumas horas”, acrescentando que “a ideia de salpicar água por uma cidade de 1500 quilómetros quadrados com helicópteros é ridícula”.

Um cientista do Departamento Meteorológico Indiano, Charan Singh, afirma que “o smog está a viajar de Punjab e do Paquistão e a ficar acumulado em Deli devido a condições meteorológicas. Tornará a vir mesmo que se tente [enxaguá-lo] com um chuveiro de helicóptero”.

Para Polash Mukherjee, investigador do Centro para Ciência e Ambiente indiano, a questão é ainda mais básica: “onde está a água? O investigador afirma que seriam precisos “milhões de galões de água até para um chuvisco ligeiro”, perguntando ainda se existe tanta água “disponível em Deli ou perto” ou se usariam água potável, que “já é escassa”.

O governo indiano tem sido acusado de não estar a levar esta crise ambiental a sério. Nesta terça-feira, o ministro do Ambiente disse que a situação apenas requeria “precauções de rotina”, apesar do nível de qualidade do ar continuar “severo”.

Capital da Índia envolta em nuvem com níveis perigosos de poluição

A poluição contida no ar da cidade advém maioritariamente da poeira levantada pela elevada circulação de veículos na capital, mas também dos passeios descobertos e locais de construção.

A administração da cidade, encabeçada pelo ministro-chefe, Arvind Kejriwal, queria introduzir um plano (testado nos primeiros 15 dias de 2016) para a redução de poluição na cidade que consistia na racionalização do tráfego consoante os números de matrícula, com isenções para mulheres solteiras, veículos que transportem crianças e motas. Se fosse implementado, contudo, teria pouco impacto, segundo estudos feitos ao último teste.

A cidade de Nova Deli está longe de ser aquela que tem o ar mais poluído da Índia. O The Guardian fez uma lista das 20 cidades com o ar mais perigoso do mundo com base em dados da Organização Mundial de Saúde, e 10 são indianas. A pior cidade indiana de todas, Gwalior, figura no 2º lugar da lista. Deli é a 11ª cidade com o pior ar do mundo e a 5ª indiana.