Santa Casa de Lisboa

Vieira da Silva nomeia antigo chefe de gabinete e coloca PS em maioria na cúpula da SCML

388

Com a saída de Santana Lopes, Edmundo Martinho foi promovido a provedor e Vieira da Silva nomeou para vice-provedor João Pedro Correia, que foi o seu chefe de gabinete até março. PS está em maioria.

Edmundo Martinho sucedeu a Pedro Santana Lopes na liderança da Santa Casa

Reinaldo Rodrigues / Global Imagens

aSCML: a sigla significa Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, mas podia significar Santa Casa dos Militantes de Lisboa. O ministro do Trabalho e da Segurança Social nomeou na quarta-feira o seu ex-chefe de gabinete — o antigo deputado socialista João Pedro Correia — como vice-provedor da SCML. A saída do social-democrata Santana Lopes — para se candidatar à liderança do PSD — abriu a porta a que o PS passasse a estar em maioria na cúpula da instituição, que tem sido liderada nos últimos anos por militantes do centrão político.

A saída de Santana Lopes fez com que o socialista Edmundo Martinho, até agora vice-provedor da SCML, fosse nomeado pelo primeiro-ministro António Costa e pelo ministro Vieira da Silva como novo provedor, o que já tinha sido anunciado em outubro. No tempo do Governo de Passos e Portas quase toda a administração era composta por militantes do PSD e do CDS. Quando remodelou a instituição em março de 2016, Costa surpreendeu ao reconduzir Santana Lopes (e dois dos seus anteriores vogais), mas colocou dois homens do PS na administração: Sérgio Cintra, que era administrador da Gebalis, dirigente do PS/Lisboa e foi mandatário de Fernando Medina nas autárquicas; e Edmundo Martinho, comissário nacional do PS. Já em maio de 2017, Vieira da Silva voltou a acrescentar uma vogal com ligações ao PS à administração: Filipa Klut, que foi adjunta de Nuno Severiano Teixeira quando este foi ministro da Defesa no primeiro Governo de José Sócrates.

Desde maio que passou a existir um 3-3 entre PS e PSD, mas Santana, como presidente, tinha voto de qualidade. Só agora, fica reposta aquilo que já é uma normalidade na SCML: a administração ser controlada por militantes do partido que está no Governo. Há quatro militantes com ligações ao PS e sobram dois, do tempo de Passos, com ligações ao PSD (Ricardo Alves Gomes deixou de ser militante em 2005, mas é próximo de Santana e do partido). A surpresa foi mesmo a recondução de Santana Lopes pelo seu antigo adversário em março de 2016, quando se esperava que ocupasse o lugar um socialista.

Olhando aos provedores nos últimos anos, têm acompanhado sempre a cor política do Governo. No tempo de José Sócrates o provedor da SCML era o socialista Rui Cunha (de agosto de 2005 a 13 de setembro de 2011). Já no tempo de Durão Barroso e Santana Lopes — governos em coligação com o CDS — a provedora foi a histórica dirigente centrista Maria José Nogueira Pinto. Entre 2001 e 2002, com António Guterres a liderar o Governo, a provedora foi a socialista Gertrudes Jorge e antes dela a ex-deputada socialista Maria Sacadura dos Santos (entre janeiro de 1996 e dezembro de 2001). Entre 1992 e 1996, com Cavaco Silva no poder a provedora foi Maria Fernanda Mota Pinto (do PSD). A tradição de um provedor com cartão de militante já dura há 25 anos.

Quem é o novo vice-provedor?

João Pedro Correia — como confirma o despacho publicado em Diário da República na quarta-feira, é gestor de marketing e era já vice-presidente executivo da SAS – Apostas Sociais, Jogos e Apostas Online, S. A. Ou seja: fazia parte da direção dos jogos da SCML, cargo que ocupou após sair de chefe de gabinete de Vieira da Silva.

João Pedro Correia iniciou a atividade no setor agroindustrial, na área de marketing como gestor de produto e marca, mas passou por diversos cargos políticos: foi assessor do Partido Socialista na área da organização, deputado à Assembleia da República na VII e VIII legislaturas, foi assessor e chefe de gabinete do Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social no XVII Governo Constitucional (Vieira da Silva, no primeiro Governo de Sócrates), bem como chefe de gabinete do Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento no XVII Governo Constitucional (também de Vieira da Silva, no segundo Governo de Sócrates. Já durante o atual governo de António Costa foi chefe de gabinete de Vieira da Silva no ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos
309

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)