478kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Vieira da Silva nomeia antigo chefe de gabinete e coloca PS em maioria na cúpula da SCML

Este artigo tem mais de 4 anos

Com a saída de Santana Lopes, Edmundo Martinho foi promovido a provedor e Vieira da Silva nomeou para vice-provedor João Pedro Correia, que foi o seu chefe de gabinete até março. PS está em maioria.

Edmundo Martinho sucedeu a Pedro Santana Lopes na liderança da Santa Casa
i

Edmundo Martinho sucedeu a Pedro Santana Lopes na liderança da Santa Casa

Reinaldo Rodrigues / Global Imagens

Edmundo Martinho sucedeu a Pedro Santana Lopes na liderança da Santa Casa

Reinaldo Rodrigues / Global Imagens

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

aSCML: a sigla significa Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, mas podia significar Santa Casa dos Militantes de Lisboa. O ministro do Trabalho e da Segurança Social nomeou na quarta-feira o seu ex-chefe de gabinete — o antigo deputado socialista João Pedro Correia — como vice-provedor da SCML. A saída do social-democrata Santana Lopes — para se candidatar à liderança do PSD — abriu a porta a que o PS passasse a estar em maioria na cúpula da instituição, que tem sido liderada nos últimos anos por militantes do centrão político.

A saída de Santana Lopes fez com que o socialista Edmundo Martinho, até agora vice-provedor da SCML, fosse nomeado pelo primeiro-ministro António Costa e pelo ministro Vieira da Silva como novo provedor, o que já tinha sido anunciado em outubro. No tempo do Governo de Passos e Portas quase toda a administração era composta por militantes do PSD e do CDS. Quando remodelou a instituição em março de 2016, Costa surpreendeu ao reconduzir Santana Lopes (e dois dos seus anteriores vogais), mas colocou dois homens do PS na administração: Sérgio Cintra, que era administrador da Gebalis, dirigente do PS/Lisboa e foi mandatário de Fernando Medina nas autárquicas; e Edmundo Martinho, comissário nacional do PS. Já em maio de 2017, Vieira da Silva voltou a acrescentar uma vogal com ligações ao PS à administração: Filipa Klut, que foi adjunta de Nuno Severiano Teixeira quando este foi ministro da Defesa no primeiro Governo de José Sócrates.

Desde maio que passou a existir um 3-3 entre PS e PSD, mas Santana, como presidente, tinha voto de qualidade. Só agora, fica reposta aquilo que já é uma normalidade na SCML: a administração ser controlada por militantes do partido que está no Governo. Há quatro militantes com ligações ao PS e sobram dois, do tempo de Passos, com ligações ao PSD (Ricardo Alves Gomes deixou de ser militante em 2005, mas é próximo de Santana e do partido). A surpresa foi mesmo a recondução de Santana Lopes pelo seu antigo adversário em março de 2016, quando se esperava que ocupasse o lugar um socialista.

Olhando aos provedores nos últimos anos, têm acompanhado sempre a cor política do Governo. No tempo de José Sócrates o provedor da SCML era o socialista Rui Cunha (de agosto de 2005 a 13 de setembro de 2011). Já no tempo de Durão Barroso e Santana Lopes — governos em coligação com o CDS — a provedora foi a histórica dirigente centrista Maria José Nogueira Pinto. Entre 2001 e 2002, com António Guterres a liderar o Governo, a provedora foi a socialista Gertrudes Jorge e antes dela a ex-deputada socialista Maria Sacadura dos Santos (entre janeiro de 1996 e dezembro de 2001). Entre 1992 e 1996, com Cavaco Silva no poder a provedora foi Maria Fernanda Mota Pinto (do PSD). A tradição de um provedor com cartão de militante já dura há 25 anos.

Quem é o novo vice-provedor?

João Pedro Correia — como confirma o despacho publicado em Diário da República na quarta-feira, é gestor de marketing e era já vice-presidente executivo da SAS – Apostas Sociais, Jogos e Apostas Online, S. A. Ou seja: fazia parte da direção dos jogos da SCML, cargo que ocupou após sair de chefe de gabinete de Vieira da Silva.

João Pedro Correia iniciou a atividade no setor agroindustrial, na área de marketing como gestor de produto e marca, mas passou por diversos cargos políticos: foi assessor do Partido Socialista na área da organização, deputado à Assembleia da República na VII e VIII legislaturas, foi assessor e chefe de gabinete do Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social no XVII Governo Constitucional (Vieira da Silva, no primeiro Governo de Sócrates), bem como chefe de gabinete do Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento no XVII Governo Constitucional (também de Vieira da Silva, no segundo Governo de Sócrates. Já durante o atual governo de António Costa foi chefe de gabinete de Vieira da Silva no ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.